Avançar para o conteúdo principal

A miúda foi de férias com o pai

E eis que 8 anos volvidos, se reuniram as condições para soltar a avezinha, e lá foi ela pela primeira vez passar férias com o pai.

Nove dias sem ela, e o coração está mesmo fora do corpo. Sem dramas é certo, talvez consequência de, após muita celeuma, se conseguir ter uma relação minimamente cordial entre progenitores, e ela ser uma miúda para a frentex, decidida e que também precisa de experienciar outras realidades e o direito que tem em estar em ambiente descontraído com a parte que também é responsável pela existência física dela.

Hoje de manhã ligou-me dizendo que estava cheia de saudades e que estava agarrada à minha fotografia, que tinha que ir arrumar as coisas porque ia fazer "actividades" da parte da tarde. Notei-lhe umas saudades saudáveis o que é um factor tranquilizante para mim.

Recomendei-lhe juízo, ela reiterou a recomendação e mandou 1999 beijos para a avó e outros tantos para a tia.

Quanto à mãe desasada ter juízo….isso é uma outra história, ou não houvesse o ditado "Patrão fora dia santo na loja!"

Ontem lá lhe comprei uns miminhos, hoje vou ver se encontro uns cadernos giros e coisas para a escola motivantes e apelativas ao estudo e claro, estar com os meus amigos sem olhar para o relógio, com todo o tempo do mundo para colocar conversas em dia em clima de descontração, já que estou sem cria pelos próximos dias.

E não, apesar de andar mais "livre" não vou a Londres sem a levar; isto é que ela meteu na cabeça que eu ia viajar sem ela!

...mas faz falta toda aquela agitação, aquele barulho, aquela loucura.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.