Avançar para o conteúdo principal

"Não há longe nem distância"

Podia ser um título meu, porque vem tão a propósito...mas não. É o título de um livro de Richard Bach que encerra em si o que sinto agora.

Podemos estar no meio de uma multidão, podemos ter ao lado alguém...mas sentirmo-nos terrivelmente sós...quem nunca sentiu isto. E não, nem sempre a solidão se trata de um estado de espírito. Por vezes é um estado físico e emocional mesmo; universos fictícios que nos fazem crer que existem, ou que não estamos sós, tipo slogan dos X Files, mas a verdade é que estamos.

Mas a vida que gosta de nos mostrar que nada é linear, as distâncias encurtam-se quando se quer, os continentes aproximam-se, o Sol brilha para alguém se sentir nem que seja através de uma chamada telefónica (que é a aproximação possível imposta pela Geografia) que nos fez sorrir, nem que seja com parvoíces do género "não casaste comigo, mas tenho pena".

Há que relativizar os conceitos de facto até porque os sentimentos e a forma como estes se expressam...sentem-se, mostram-se e não há nada que nos impeça de o fazer. Se não o fazemos, não se trata de sentimentos, mas sim de outra coisa qualquer.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.