Avançar para o conteúdo principal

Branco mais branco, não há

Sim, confesso que tenho uma grande pancada com os dentes, os meus sobretudo e os da minha filha. Também não aprecio dentes mal tratados ou com mau aspecto, mas cada um sabe da sua dentadura e Deus sabe de todos.

Faço com a minha filha o que a minha mãe fez comigo, que andava sempre em cima dos meus hábitos de higiene, supervisão, controlo de qualidade e o facto é que a miúda está, até ver, com uns dentes irrepreensíveis. Diz a dentista que estão a crescer de uma forma regrada, embora estejam a cair primeiro os que deveriam cair mais tarde, mas também quando temos uma criança que começa a trocar de dentes aos 4 anos, outra coisa não será de esperar.

Confesso que noto que embora muitas pessoas se lamentem, a verdade é que muitos fazem algum luxo em que os filhos usem aparelho dentário, quanto mais não seja por lhes atribuir um certo status; não é toda a gente que tem 2000€ para adquirir um aparelho para os filhos. Pois eu, fujo um bocado disso. Confesso que sempre olhei com um certo nojo para as bocas metálicas, não obstante em muitos casos ser de facto necessário.

Mas a higiene oral não é a mesma, não me venham com histórias, imagino a quantidade de restos de comida por debaixo daquele metal, o odor, as manchas, etc. Pancadas minhas, mas, dito por quem sabem, completamente reais.

Ora que a dentista da minha filha andou para lá a avaliar a coisa e foi dizendo que não lhe parece que a pequena vá ter necessidade de andar com metal na boca e claro falou-me nas coisas boas e más de um aparelho. A miúda tem os dentes a crescer todos ao mesmo nível, certinhos e direitos, o canino superior direito é torto como o meu, como o da avó, bisavó, etc., e a verdade é que contrariar a genética nestes casos faz-nos perder a graça. O maxilar superior tem exactamente a mesma saliência que o meu, ok, podia fazer-se com que ficasse direito...mas a graça talvez seja mesmo essa, e caso a minha boca fosse totalmente simétrica, o meu sorriso já não seria a mesma coisa.

Mas a minha pancada com os dentes continua e contino a ver uma tonalidade amarelada...sim, até bochecho com água oxigenada, não gosto cá de falta de brancura nos ditos. E toca de perguntar ao meu dentista em quem confio a 1000% o que é que ele achava se eu fizesse um branqueamento.

De gritos; olhou para mim, olhou para os meus dentes e disse-me que para além de ir passar os primeiros tempos pós branqueamento com mais sensibilidade, gastar algumas centenas de euros, não iria ter muito mais vantagens, isto porque o tom de branco natural dos meus dentes, é o "mais branco possível", logo, para me deixar de tretas.

Mas eu que vou ao espelho e continuo a achar que podiam ser ainda mais branquinhos, for Christ sake!

Tenho mesmo uma grande pancada e a pequena vai pelo mesmo caminho. Demora à vontade 10 minutos a escovar os dentes, porque diz que quando for crescida quer ter os dentes como a mãe. Há que dar bons exemplos!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.