Avançar para o conteúdo principal

Uma questão de peso

Os elevadores do prédio onde mora a minha mãe, têm um sistema visual que incorpora o controlo do peso dos passageiros, para que a capacidade do aparelho não seja excedida.

Tem um bonequinho com forma humana, que à medida que o peso vai aumentado o mesmo começa a ficar vermelho, começando pela zona dos pés e por aí cima, seccionado, portanto.

Pois que indo eu sozinha ou com a Bébécas, nenhuma luz indicadora se acende, portanto para as contas do elevador não chegamos a ter peso que corresponda a uma pessoa, aiai.

No outro dia lá entrei no dito, atrás de mim entraram 3 vizinhas (daquelas coscuvilheiras que desde os meus tempos de adolescente já faziam parte da vizinhança) e eis que eu ouvi apitar por todos os lados, mas nem associei que fosse o que de facto era.

O boneco vermelho e a rebentar pelas costuras, e o elevador a "dizer" que dali não saía enquanto tivesse peso a mais.

E as vizinhas:

"Aiiii......somos nós!??"

E eu não resisti:

"Não...devo ser eu"

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.