Avançar para o conteúdo principal

A rainha da brincadeira

Para mim é e será sempre a minha princesa; a minha Special One, a minha essência e a minha inspiração. A minha criação mais perfeita de todas, o meu primeiro e único 21.

Mas para além disso ela é também a rainha da brincadeira; quem a via tão apagadita quando era mais bebé, pois que agora é vê-la a rebolar, a querer fazer cambalhotas, aos pulos a fazer do sofá e do meu corpo uma cama elástica, a correr e a brincar com os amiguinhos e com os primos.

No outro dia o primo G., do alto dos seus 5 anos não lhe ligava nenhuma, já acha que é homem e punha-se a olhar para as minhas pernas, e era vê-la a esconder-lhe as havaianas, a provocá-lo e a desafiá-lo para a brincadeira.

Ela já não quer saber da mamã, já não vê nada, a não ser a bela da paródia. Fica transpirada, derreada, pronta para ir para o charco fazer uma desinfecção daquelas à antiga - e eu delicio-me a vê-la rir às gargalhadas, tão divertida e tão feliz.

Às vezes penso que se pudesse dar-lhe-ia a Eurodisney inteira, só para ela...mas depois penso...isso é tão pouco e é apenas matéria. Dei-lhe e dou-lhe todos os dias o meu coração, e esse, não tem de facto preço.

Comentários

eu disse…
Nada como uma criança feliz para contagiar todos à sua volta de felicidade. Um beijinho*

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri