Avançar para o conteúdo principal

Primeiros actos de rebeldia infantil

Que tem um feitio vincado, disso não restam dúvidas.

Ainda na minha barriga já mostrava o seu desagrado quando estava numa posição de que não gostava, quando me sentia mais nervosa...enfim.

Nasceu um pouco zangada com o mundo, patente em muitos dos retratos que lhe fomos tirando em que aparece com um ar sério e uma expressão bocal que não deixava margem para dúvidas...muitas coisas a zangaram.

Os primeiros sorrisos foram para a mamã, obviamente, não só por ser a mamã e mãe é de facto mãe, mas também por me conhecer com 40 semanas e 4 dias de avanço face a todo o meio envolvente. Mas foi uma bébé que até certa fase da sua vida não se ria muito e tinha um olhar triste...não posso negar que pelo facto de ter sido vítima de sevícias de vária índole, a bébé enquanto nascitura e recém-nascida foi enormemente prejudicada.

Mas aos poucos renasci das cinzas, fiz o que deveria ter feito em vários aspectos e a bébé começou a desabrochar a olhos vistos e por volta dos seus 3 meses começámos a ter uma bébé animada, de bem com a vida e a fazer as gracinhas que nos deliciam diariamente.

Mas continua a ser certo que o seu feitio é deveras especial, que quando não gosta de algo ou se sente desconfortável emite uma espécie de "rugido", capaz de pasmar os mais distraídos.

E a genética é isto mesmo, pois ao que me comenta a minha mãe eu emitia exactamente os mesmos sons quando algo me desagradava, franzia o sobrolho tal como ela e, quando ria, era porque de facto me apetecia; não fazia fretes para agradar a fosse quem fosse, e nisso somos idênticas, apesar dos quase 33 anos de diferença.

E eis que ontem fui confrontada com um acto ainda mais rebelde, perpetrado por um besnico de 6 meses; quando a fui buscar andava entusiasmada por me captar a atenção, emitindo os seus sons estridentes e cada vez mais altos. Aproximei-me dela, sorri e disse-lhe (pasmem-se, já converso com um ser tão pequenino) que não se grita à mãe, pois é falta de educação...resultado, com a boca cheia de baba faz brrrrrr, resumindo e em português vernácu-lo...."cuspiu!" para cima de mim.

Entre um ai ai ai que me vou zangar com a bébé, apenas tive tempo de me virar e rir à gargalhada sem que ela se apercebesse que a par da incredulidade lhe achei imensa piada.

Que rebeldias se seguirão...

Comentários

Unknown disse…
Linda tens razão as vezes também desejo-lhes o dobro do que me fizeram mas as vezes penso assim sou igual a eles por isso como eu disse no meu post o que se faz paga-se.Espero que esteja tudo bem com a tua menina que esteja a crescer forte e saudavel.

Beijinhos grandes para as duas.
Unknown disse…
Olá, sei que há muito não tenho comentado aqui no blog, mas como deves ter reparado também não tenho tido muito tempo para os blogs.
Apesar disso sempre que posso passo por cá e vou lendo o que escreves, soube da tua gravidez, e também me apercebi que algo de errado também aconteceu.
Fico feliz por teres tido a menina, é uma delicia ler os posts que fazes sobre ela, uma autentica "Mamã babada" ;-) e desejo que ambas sejam muitos felizes.
Quanto ao resto tem calma, vais ver que tudo se há-de resolver, infelizmente a justiça em Portugal tarda, mas vai chegar e vais resolver tudo da melhor forma.
Obrigado por continuares a ler o Pipasblog, e está descansada que apesar de comentar menos, o teu blog não é esquecido.
Beijo e muitas felicidadas a ambas.
Nuno

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.