Avançar para o conteúdo principal

Consideração acerca do homicídio de que se fala

Tenho acompanhado com alguma atenção as notícias relativas ao homicídio do "jornalista" Carlos Castro; coloco jornalista entre aspas, pois, por muito dom da palavra e da escrita que se tenha, faz-me alguma confusão haver quem tenha como base de fonte de sustento, falar da vida dos outros e muitas das vezes com algumas incorrecções e invenções....mas adiante!

Foi um crime hediondo....foi!
Macabro...idem!
Inqualificável...também!
E idem, idem, aspas, aspas...

Faleceu um ser humano às mãos de um carrasco "impiedoso", enfim, isso já todos nós sabemos.

Mas vamos santificar a vítima e electrificar o carrasco?

Não estamos a falar de um crime sexual passional, estamos sim perante uma série de crimes que terão ocasionado o desfecho que conhecemos. Que uma coisa justifique a outra...não, obviamente que não justifica.
Mas quantos de nós em casos de pedofilia extrema comentamos em uníssono que os opressores deviam ser mutilados, amarrados a uma árvore, espancados, blá blá blá.

O que não sabemos, nem nunca saberemos serão os contornos, a envolvência, o "ecossistema" que deu origem a que um jovem aparentemente normal, bem sucedido, com uma licenciatura terminada aos 21 anos se tenha subjugado a um idoso de 65 anos, se tenha predisposto a desaprender a sua autodeterminação sexual, tenha deixado para trás o seu livre arbítrio, por um punhado de efémera fama.

A fama teve-a certamente, muito mais do que os 15 minutos a que todos temos direito, mas não pelos motivos mais ortodoxos e mais vulgares para um jovem igual a tantos outros.

Saiu cara a ambos a relação intíma, de amizade ou laboral que mantinham, mas não se perdeu apenas uma vida...perderam-se várias, vários sonhos, várias concretizações e o respeito de uma sociedade perante um jovem que tinha tudo para ser feliz e que abdicou gratuitamente da sua liberdade coagido saberemos nós algum dia porquê.

Paz às suas almas (de quem partiu e de quem por cá ficou)

Comentários

Anónimo disse…
ELECTRIFICAR o carrasco?
Loooooooooooooool!
Electrocutar!
Brown Eyes disse…
Caro Anónimo: já ouviu falar em redundância ou tautologia? Se de facto já...a minha resposta já lhe foi dada, se não aconselho-o a analisar uma boa gramática de português de Portugal e a tirar daí as suas conclusões.

Há que saber usar e ler as figuras de estilo;-)

E reitero a frase que tenta a seu modo corrigir - electrificar o carrasco!

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.