Avançar para o conteúdo principal

Raios partam o Covid

 Que me fez perceber que a minha cabeça já não é o que era. 

Há uns dias tinha ficado combinado um jantar…em casa. Chego e sou desafiada para um jantar fora de casa. Ok, peguei na clutch e atirei para lá 2 cartões e outros objectos pequenos essenciais. Saímos, chegámos ao restaurante e:

O certificado?

Ainda dei comigo a parar uma fracção de segundo para tentar perceber que raio de pergunta era aquela for Christ sake.

Ah e tal, para entrarem só com o certificado. Pois, ya, falha minha sem dúvida que já tenho o certificado da primeira dose há 3 semanas e não só não o tinha comigo, como também não tinha uma foto. Coisas básicas. Bom, pensei vou retirar à net. E cadê o cartão de cidadão pois sei todos os números de cor menos o de utente do SNS. 

“Não trouxeste o cartão de cidadão?!” Ya, mais uma falha, 3-0.

Mas eu não desisto e dei voltas à cabeça para encontrar forma de descobrir o meu número de utente. O plano A não funcionou, pois liguei à minha irmã e ela não tinha nenhuma cópia do meu cartão de cidadão para ver. Ok, rumámos a outro restaurante que tinha uma esplanada e por lá ficámos, mas agora não podemos escolher grandes lugares e eu continuava com a esperança de obter o certificado. Na verdade, Eureka, na net tudo se encontra e lá consegui chegar ao meu número de utente e daí a emitir novo certificado foi um ápice, mas realmente o que não está predestinado…o e-mail não havia meio de chegar.

Refresh em cima de refresh e nada. Desisti já o repasto vinha a caminho e nos entretantos mudámos de lugar e acabámos por ter um jantar maravilhoso. Chegámos a casa, consulto novamente a mailbox e…o certificado estava lá desde que o tinha solicitado…na caixa de Spam, pois claro. COVID 4 - Je 0

Ou nem tanto, porque jantámos à mesma, na esplanada, não sem eu ter antes ficado à beira de um ataque de nervos. Just in case o meu certificado já paira na galeria de alguns telemóveis, não vá o Diabo tecê-las.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,