Avançar para o conteúdo principal

Raios partam o Covid

 Que me fez perceber que a minha cabeça já não é o que era. 

Há uns dias tinha ficado combinado um jantar…em casa. Chego e sou desafiada para um jantar fora de casa. Ok, peguei na clutch e atirei para lá 2 cartões e outros objectos pequenos essenciais. Saímos, chegámos ao restaurante e:

O certificado?

Ainda dei comigo a parar uma fracção de segundo para tentar perceber que raio de pergunta era aquela for Christ sake.

Ah e tal, para entrarem só com o certificado. Pois, ya, falha minha sem dúvida que já tenho o certificado da primeira dose há 3 semanas e não só não o tinha comigo, como também não tinha uma foto. Coisas básicas. Bom, pensei vou retirar à net. E cadê o cartão de cidadão pois sei todos os números de cor menos o de utente do SNS. 

“Não trouxeste o cartão de cidadão?!” Ya, mais uma falha, 3-0.

Mas eu não desisto e dei voltas à cabeça para encontrar forma de descobrir o meu número de utente. O plano A não funcionou, pois liguei à minha irmã e ela não tinha nenhuma cópia do meu cartão de cidadão para ver. Ok, rumámos a outro restaurante que tinha uma esplanada e por lá ficámos, mas agora não podemos escolher grandes lugares e eu continuava com a esperança de obter o certificado. Na verdade, Eureka, na net tudo se encontra e lá consegui chegar ao meu número de utente e daí a emitir novo certificado foi um ápice, mas realmente o que não está predestinado…o e-mail não havia meio de chegar.

Refresh em cima de refresh e nada. Desisti já o repasto vinha a caminho e nos entretantos mudámos de lugar e acabámos por ter um jantar maravilhoso. Chegámos a casa, consulto novamente a mailbox e…o certificado estava lá desde que o tinha solicitado…na caixa de Spam, pois claro. COVID 4 - Je 0

Ou nem tanto, porque jantámos à mesma, na esplanada, não sem eu ter antes ficado à beira de um ataque de nervos. Just in case o meu certificado já paira na galeria de alguns telemóveis, não vá o Diabo tecê-las.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Ando por fora dos temas take-away e junk-food

 Mas hoje a ocasião fez o ladrão. Consulta da miúda a acabar quase à 1 da tarde, não tinha preparado nada com a devida antecedência pelo que passei pelo McDonalds. Peço os menus eis se não quando a pessoa que me atendeu me diz que não há bebidas. Não há bebidas? Não estou a perceber. É que comer um junk-burguer sem uma bela Coca-Cola para facilitar a digestão, é obra. “Ah, com as novas regras do confinamento não podemos vender qualquer tipo de bebida!” Confesso que existem detalhes que nunca vou perceber. A pessoa pode comer mas nem uma gota de água pode comprar no local em que comprou a refeição. Não me faz muito sentido, para não dizer nenhum.