Avançar para o conteúdo principal

Falta de sentido de oportunidade

 É das coisas que me causa alguma urticária aguda. 

Ora vejamos, sou uma cidadã atenta ao que se passa à minha volta e não suporto injustiças. Tendo fazer a diferença dentro das minhas possibilidades e convicções, por isso, sigo algumas ONG's e o seu trabalho e não fosse o facto de ter uma criança pequena, uma das minhas ambições era enfiar-me um dia num campo de refugiados ou numa missão...para ajudar. Não penso nos perigos contra a minha integridade física que daí poderiam advir, penso apenas que quem não tem protecção alguma a vários níveis, necessita de todo o nosso apoio e até de um abraço.

Se nós que vivemos num meio minimamente civilizado e com acesso a tudo e mais alguma coisa, precisamos de colo, quanto mais não precisará quem nada tem?

Ora bem, ontem já a noite ia longa, assinei uma petição da Amnistia Internacional relativa a uma causa que me é sensível - Fome no Sul de Angola. Como me comentava um amigo, "poderia até ser cómico, se não fosse tão trágico", sendo Angola um dos países que mais riqueza produz no Mundo. Há crianças a sucumbir à fome e isto é dilacerante.

Bom, hoje, menos de 24 horas depois, ligam-me da Amnistia a agradecer o meu gesto, mas também a pedir dinheiro para causas futuras. E aqui é que eu acho que reside o busílis. Não sou nenhum amigo do José Sócrates que distribui dinheiro a rodo, mas podemos sempre dar alguma coisa - o que custa é que nem deixam uma pessoa respirar, reflectir, nem sabem sequer para que causa pedem, mas pedem e pressionam. Mesmo depois de eu dizer que agora não tenho essa disponibilidade, para além de que gosto de saber para que causa vai a minha contribuição, insistem que pode ser uma entrega pontual. 

As ONG's debatem-se sem dúvida com grandes problemas de tesouraria mas...esta forma ávida de nem dar tempo de uma pessoa respirar, a lembrar um abutre à espera que a sua presa dê o último suspiro, também não cativa potenciais contribuições.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,