Avançar para o conteúdo principal

O homem é um animal de hábitos....e a mulher...idem

 As janelas de minha casa dão para a anterior escola da minha filha. Escola Primária com Jardim de Infância incluído, portanto a animação é imensa.

Estando em teletrabalho, e dando as minhas janelas para lá, estes meses foram uma (des)animação. Os miúdos devem ter os intervalos/pausas todos desordenados por causa do sistema de "bolhas" imposto pelo Covid pelo que em vez de se ouvir barulheira 2/3 vezes ao dia, o barulho era constante. Uma gritaria desenfreada, quais pardalitos com pulmões de águias e condores à solta.

Tinha dias em que amaldiçoava os miúdos, pois estando em reuniões ou a fazer tarefas que implicam concentração extrema, aquela gritaria incomoda. Desejava que se transformassem em toupeiras silenciosas. Esta semana então, foi o caos. Desde segunda-feira punham em modo repeat o "We are the Champions" e uma música qualquer dos manos Carreira em que se ouvia também a voz da miúda falecida e claro, os padralitos a cantar em coro.

Há cerca de 2 horas, fez-se silêncio. Agora oiço literalmente os passarinhos que estão nas árvores - mas cadê os meus pardalitos sem asas, cadê a minha banda sonora dos últimos meses?

Já me estão a fazer falta. Foram recambiados para férias. Agora reclamo que não lhes oiço o som, o som de saúde, de vida, da infância. Afinal, fazem-me falta os loucos dos miúdos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,