Avançar para o conteúdo principal

Coisas de pele

Não sei se por sorte ou azar, a minha pele não é má. Quando era mais nova, era extremamente seca e tive de facto uma mãe extremosa no sentido de tudo fazer para que os danos colaterais fossem reduzidos. Não invalida que tivesse algumas vezes que usar cortisona, pois de tão seca que era, abria feridas, sobretudo nas bochechas e por detrás das orelhas e a dermatologista, não dava outra hipótese.

A verdade é que uma ervilha de cortisona fazia milagres em meia hora, mas com o mal que aquilo faz, era só mesmo em último caso.

Sendo a genética algo extraordinariamente interessante, mas para o lado mau, é algo penoso, quis o destino que a minha filha viesse exactamente igual e ao primeiro mês de vida lá fui com ela a correr à médica pois tinha o pescoço e a a tal zona das orelhas quase em carne viva, no Inverno abria autênticos buracos nas bochechas e o tratamento que lhe foi prescrito, foi o mesmo que eu tinha feito, há mais de 30 anos atrás.

O facto é que, apesar de tudo, e ainda hoje a pele dela requerer muitos cuidados, a situação está muito mais controlada do que a minha com a idade dela, pese embora o que invisto em cremes da Uriage, solução que prefiro diariamente, a meia hora que seja de cortisona.

O facto é que tendo a pele seca, nunca tive acne, e tenho a pele de uma maciez fascinante. E não sou eu que digo. Daqui a dias já cá cantam 41, e de facto é de uma suavidade ao toque, que não é para todos. E desengane-se quem pense que trato muito bem dela. Não que me faltem os cremes certos, mas mesmo por preguiça e falta de tempo - o que na realidade é absurdo, porque demoro 5 minutos de manhã e outro tanto à noite para fazer o meu ritual.

Ainda assim, no Inverno sou muito mais disciplinada - com o frio sinto a pele muito seca e a repuxar e é o mote para aplicar o leite de limpeza com a máquina, limpar com o tónico, colocar o sérum, depois o creme de dia/noite, o de olhos e por fim o creme hidradante. Parece uma imensidão, mas não leva mais do que 5 minutos e de facto, ainda que mesmo quando não o faço a minha pele receba os devidos elogios de quem percebe, quando lhe dedido os tais minutos, fica literalmente resplandecente. Parece que tenho menos 10 anos, é mágico.

Mas o curioso é que não percebo o fenómeno de uma pele que foi quase toda a sua vida seca, ter passado com a mudança de idade a mista, ou seja, seca nas bochechas e pescoço, e a tender para o moderado com ligeira oleosidade na zona T. Valha-nos a cosmética que se antecipa a esses dilemas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Os adultos choram?

 - Claro que sim filha, porque não haviam de chorar quando sentem essa necessidade!? - respondi eu, ao que ela me diz: “Nunca te vi chorar mamã” Tantas lágrimas minhas lhe omito desde sempre, tantos momentos de dor, de tristeza...a minha filha pensa que eu sou um rochedo. Nunca me viu, ou não se lembra de me ter visto chorar. Poupo-a à preocupação de me ver desabar quando tal acontece e, pelos vistos, com sucesso. Mas a mãe chora, e muito, muito mais do que desejaria, sem dúvida.