Avançar para o conteúdo principal

Não, afinal o meu corpo não mudou assim tanto

Lembro-me de quando era adolescente, em termos físicos não me ter em muito boa conta; passei aquela fase em que todas as minhas colegas já tinham formas voluptuosas e eu, uma trinca-espinhas, muito alta naquela época para a idade, os pés grandes como ainda hoje se mantêm e as feições que tenho hoje.

Ok, usava aqueles óculos redondos horrorosos, mas pronto, os erros de casting da minha mãe, eheheheheh.

As tais das formas voluptuosas gozavam comigo porque eu não tinha peito, blá blá blá. Curiosamente, e como eu nem tinha tiques de vedeta, nos dias de calor mais apertado e já mesmo nos finais do ano lectivo, para aí do 10º/11º andava com os meus calções do ténis, branquinhos, que realçavam o meu tom de pele.

Qual não é o meu espanto quanto vejo uma vez a passar no bar um filme que os engraçadinhos dos Bad Boys fizeram das miúdas giras do liceu e seus atributos e tanto eu como as minhas pernas apareciam lá em destaque.

OMG; daí a dizerem-me que podia ser modelo apesar do meu 1.70, blá blá blá, foi um passo; confesso que não era algo que me agradasse, não sou sequer fotogénica, de todo e queria estudar, fazer a minha licenciatura e mais importante ainda, nunca teria o aval da minha mãe para tal coisa.

Enfim, se me quisessem comparar com um legume, eu seria um espargo, literalmente.

Tenho alguns "problemas" em lidar com o que o espelho me mostra; tenho um palminho de cara, tenho um ou outro atributo físico bonito, como qualquer pessoa, mas vejo-me sempre mais exagerada para o lado do mau do que o contrário - sempre foi assim e será.

Ontem, decidi vestir umas calças com um padrão interessante mas que não se pode usar sempre, que comprei à vontade há uns 13 anos; por norma compro coisas de boa qualidade, que são um bocadinho mais caras, mas duráveis. E as ditas assentam que nem há 13 anos atrás, tenho o mesmo corpo que tinha com 23 anos, depois de ter uma filha e caminhar a passos largos para os 40 - não é eterno, eu sinto que já estou a mudar, mas confesso que fiquei contentita, pois a lei da gravidade para os lados ainda não me atingiu sobremaneira. Há dias assim, que nos perdemos em futilidades.

Comentários

Essa do legume foi muito boa LOL mas sou como tu (não tão alta :) mas estou como nos 20 ou melhor ainda. Gosto mais de mim agora! Sinto-me mais poderosa e mesmo depois de ter sido mãe! ♥

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.