Avançar para o conteúdo principal

Praxes

Há sempre confusão, é impressionante; mas porque é que o pessoal com um anito a mais de curso se predispõe a pôr a vida dos caloiros em risco!?

Uma coisa é brincar, integrar, ajudar no início a entrada num novo mundo; a parte da humilhação e das brincadeiras porcas, nunca as percebi.

Mas devo ter sido mesmo uma académica atípica; tive a sorte de ser levemente praxada e em situações divertidas (aquela do perfume nauseabundo e toda a gente no comboio a olhar para mim, nunca me vou esquecer - aquilo devia ser estrume de bovino concerteza, e a média de entrada escrita com batom vermelho na testa, com os meus 17 anitos fazia-me sentir inteligentezita).

O traje comprei-o quase nas vésperas da Benção, embora tenha sido um rito de passagem irrepetível, mas em pleno mês de Maio, com aquela capa negra de flanela em cima durante não sei quantas horas a ouvir o Sr. Cardeal....foi duro. Deve ter sido a primeira vez que calcei sapatos de salto alto e acabei por me trajar depois meia dúzia de vezes, apenas em ocasiões em que a formalidade assim o exigia.

Gosto muito da minha capa, mas, não permiti que cometessem o sacrilégio de a rasgar - mais uma praxe a meu ver absurda, não gosto! A minha irmã fez questão de usar a minha capa na mesma ocasião e já sabia que rasgar....não. A próxima poderá ser a Bébécas, se assim o entender (sinceramente espero que sim, até porque já lhe denoto um QI respeitável e uma capacidade de raciocínio extraordinários); gostava de ver a minha filha a concretizar os seus sonhos, a ser uma grande pessoa, uma grande mulher...ter a capa que foi da mãe ao ombro, era só mais um ponto para o imenso orgulho que já sinto por ela.

Só espero é que esta coisa das praxes dê uma volta, que as pessoas se preocupem com a diversão e deixem a humilhação de lado e brincadeiras perigosas jamais. Não tem mesmo a mínima piada.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.