Avançar para o conteúdo principal
Não a habituei a ver televisão e já vamos nos 26 meses de vida e não a tenho viciada nos Panda's e afins; continuo a achar que tem tempo para essas coisas e ver crianças muito pequenas agarradas ao ecrã da televisão sempre foi algo que me fez confusão.

Não acrescenta muito valor ao desenvolvimento deles, e fá-los adquirir vícios precocemente. Não assumo posições radicais, como é óbvio de quando em vez lá vê ela um ou outro desenho animado, de preferência da Disney, mas tudo isso constitui a excepção e não a regra.

Quando chegamos a casa a rotina é veloz, e entre banho, tratar-lhe do cabelo, unhas, jantar, contar a história e deitar, não sobra muito mais tempo; optei por dar-lhe o jantar fora do alcance da televisão, embora a mantenha com um som suficientemente aceitável para eu ouvir o noticiário, que neste momento é algo de que não abdico.

Como sabe perfeitamente as rotinas, vem com o telecomando na mão e diz assim:

"Ica a tebazão"

Tão querida; até me deixa ouvir as notícias!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,