Avançar para o conteúdo principal

1984

Poderá ter sido a fonte de alguma inspiração o facto de Orwell ter escrito este livro, para gerar programas tipo "Big Brother" e afins...mas concluo que constituem um claro desvio de tudo aquilo quanto ele tentou mostrar e comprovar no seio de uma sociedade oligárquica.

Acompanhei o início da 1ª edição desse tal programa, acabadinha de conquistar o canudo em Sociologia e expectante quanto às surpresas que aquele laboratório social altamente vigiado nos teria reservado; cedo me desiludi.

Houve para aí edições que nem os concorrentes cheguei a "conhecer", agora inventaram a variante dos "Segredos" e atrevo-me a concluir que o povo é escolhido a dedo, e a grande maioria fará parte do pior refugo da nossa sociedade.

Vi a estreia do programa no passado domingo em modo zapping, pois faço questão de acompanhar e seguir as séries de culto dos canais por cabo, mas confesso que tive uma vez mais muita curiosidade em ver o género de povo que se prestou uma vez mais a expôr a sua intimidade perante a perspectiva de ganhar uns escassos 50 mil euros.

A maioria das meninas com um aspecto daquilo que até podem não ser, mas que a mim não me enganam; e os meninos do mais inóspito que há, podendo haver uma ou outra excepção; não sei, nem perco tempo com esse tipo de pensamento.

O facto é que se critica muito quem vê estes programas, mas quem critica esquece-se de analisar os rácios culturais da nossa sociedade, os modos de vida, os traumas e as más experiências, e que o facto de estes robôts que entram na "casa mais vigiada do país", podem constituir um escape face à loucura e às desilusões do dia-a-dia.
As pessoas preferem dispender algum do seu tempo a ver esta sitcom, que acaba por ser, não mais, do que o retrato da sociedade encapotada em que vivemos.

Uns dizem que são acompanhantes de luxo - conceito este de bradar aos céus; pelo amor do que é mais Sagrado, a prostituição para mim não tem qualquer luxo, sendo que se tiver que se atribuir alguma diferenciação, é muito mais danosa a encapotada, aquelas que se escondem debaixo da capa de grandes senhoras, do que aquelas pobres coitadas que andam no meio da rua ao "lá vai um"; depois é porque o pai abandonou não sei quando, outro talvez tenha comido um jacaré, a outra não tem um dedo do pé, o outro é hermafrodita, etc, etc, etc.

Não sigo a saga, não sou capaz, provocar-me-ía a curto prazo um ataque de nervos, mas ressalvo que o problema não está em quem o vê, mas em quem para lá vai e que revela a pobreza da sociedade de que temos.
Não se fomenta uma conversa com conteúdo, ou não concorrem, ou não dão as audiências desejadas pessoas com um nível cultural um nada mais elevado, pessoas que falem sobre outros assuntos que não apenas o sexo e que já tiveram centenas de homens/mulheres em cima dos seus lençóis. Fomentam-se sim as omissões, as intrigas, as traições, as relações dúbias e o empurrar alvos para situações menos ortodoxas.

Não creio que tenha sido esse o móbil da obra "1984", muito pelo contrário e confesso que me arrepiou pela negativa ver o que pouco que vi.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.