Avançar para o conteúdo principal

Nomadland - Um (muito) bom filme

 Pensava já não ir a tempo mas ainda o apanhei em cartaz e em boa hora o apanhei disponível. Prendeu-me ao grande ecrã desde o primeiro ao último minuto, deixei-me ficar a digeri-lo no fim até as últimas legendas desaparecerem e deixarem a tela negra. Se por um lado o regresso ao cinema foi bom, após meses e meses de jejum cinematográfico, por outro foi um misto de sensações que vivi enquanto assistia àquele filme.

De cada vez que vejo a Frances McDormand a representar fico petrificada com aquele talento. É uma actriz brilhante, do melhor que temos neste momento. Mas o filme…bom, o filme para além de conseguir captar-nos a atenção, não sendo um filme de acção, tem uma componente dramática fora de série. Levou-me a repensar no sentido da vida, no sentido da minha própria vida, onde quero estar e com quem, como pretendo acabar e onde, doente ou não, feliz ou não. Acima de tudo, o sentido disto tudo. E por vezes percebemos o sentido disto tudo quebrando barreiras e vivências que damos como garantidas.

Não é bem um filme que dê para exteriorizar emoções. Dei comigo a chorar, mas para dentro, a chorar comigo,  numa cena tão simples como quando um amigo da estrada, sem querer, lhe deixa cair uma caixa onde ela guardava religiosamente uns pratos de faiança que o pai lhe tinha dado. E aquilo para ela foi uma perda que lhe dilacerou a alma. 

E dei comigo a chorar para dentro noutras cenas que não tendo uma manifesta carga dramática, levavam-me às profundezas das minhas memórias. Um bom filme consegue estas proezas. É de facto dos melhores que vi até hoje e que recomendo vivamente.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.