Avançar para o conteúdo principal

Coisas que chateiam

 Um dia destes precisei de ir à CGD - aliás, precisar não precisava, já que se tratava de um movimento igual a tantos outros que se podem fazer sem termos que nos deslocar à agência, mas aquele caso específico ainda não está complementado e obrigam as pessoas a deslocar-se lá.

Podia ser interessante...só que não. Tirei a senha às 08:41h, em teoria tinha 8 pessoas à frente e saí de lá às 11:00h, o que é de facto surreal.

Que o atendimento da CGD sempre foi péssimo, é um facto, mas a verdade é que quando pensamos que já não pode piorar...piora mesmo. Eu não queria acreditar. Mas na espera, assiste-se de tudo e sem pagar bilhete o que torna aquele tempo em algo lúdico.

Desde pessoas em série a ver os seus cartões a ser subtraídos pela máquina Multibanco, e a reclamarem, e a tentarem entrar no balcão à força e passar à frente de quem tinha senhas, passando por um emproado de um gestor a andar a passear dentro e fora com as calças do fato todas rasgadas entre-pernas, rabiosque e afins, as velhotas a reclamar de tudo e mais alguma coisa e o cúmulo dos cúmulos - uma senhora de etnia cigana que conseguiu passar à frente daquela gente toda, eu incluída, fazendo-se acompanhar de um marmanjo com uns bons 30 anos, dizendo que estava grávida. G-R-Á-V-I-D-A. Com uma barriga flácida e mole, com idade para ser minha avó e que devia estar grávida mas é de boa carne, peixe e pão.

Eu ainda atirei para o ar que a senhora deveria estar tão grávida quanto eu, que não estou por acaso, mas ninguém fez caso e ela foi mesmo atendida como prioritária.

Chegada a minha vez ainda perguntei à funcionária por que motivo nesse caso não estavam a dar prioridade às velhotas de 80 anos, mas deram a senhora "grávida". Resposta: ah, se eu não a atendesse ela ainda me batia.

Honestamente já não sei se tudo isto não passa de uma grande parvoíce; em primeiro lugar assumir que as pessoas por serem de uma dada raça ou etnia,  reagem todas da mesma forma quando contrariadas. Por outro não apelarem à criatividade de sentar a senhora na cadeirinha lá dentro do balcão, ao fresquinho do AC a aguardar tranquilamente pela sua vez e com um copinho de água fresca ao lado. Ou mesmo, se ela estava com tantas dores como dizia ter, porque "estava de bebé", terem chamado o 112. Isto sim é inclusão, porque o resto das pessoas estavam ali em pé, durante horas, no perfeito covidário que é o átrio de fora do Banco com dezenas de pessoas à espera.

Será que se eu voltar lá amanhã e disser que estou grávida, pega?

Retalhos do que se passa numa manhã comum numa agência da CGD.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.