Avançar para o conteúdo principal

Há coisas que nunca mudam ou...como fazer com que os nossos filhos nos achem o máximo

 Quando era miúda deu-se o advento dos jogos de computador. Desde o velhinho Spectrum 48K que o meu padrasto me deu e a odisseia que era correr um jogo fazendo antes "Load "" Enter" até chegarmos a tecnologias mais avançadas, digamos que eu era "pro".

Até um jogo cheguei a desenvolver em linguagem Basic - vejam lá o dinossauro que eu já sou.

Jogos de lutas, guerras e tiros nunca foram o meu forte. Sempre alinhei mais em estratégia e.....Prince of Persia, of course.

Mas a pessoa cresce e depois apareceram os Farm Ville e coisas do género em que a pessoa não tem que pensar e passa o tempo e a cabeça esvazia e pouco mais. 

Mas tenho uma menina, que por acaso tem uma consola e, embora que com as devidas regras, porque primeiro está o estudo, a leitura, as brincadeiras saudáveis e, no fim, sobra algum tempo para o ócio assim mais básico que é olhar para a consola ou para o que ela projecta para a televisão, e jogar.

É como a mãe, não quer cá pancadaria e jogos sem muito sentido embora que jogados pela carneiragem, e vai para os jogos em que tem que passar níveis executando uma série de tarefas, procurando segredos e descobrindo enigmas.

Tem um jogo novo há uma semana e nele já empancou três vezes. À primeira veio muito triste dizendo que não conseguia passar o nível. Eu sem nunca ter jogado aquilo lá me pus a olhar para o dito, explorei a área, tentei perceber o que era esperado e lá consegui passar em poucos minutos o nível à miúda.

Foi a loucura! Aí ela percebeu que a mãe é qualquer coisa. Uma Super-Heroína quem sabe. Chegou o segundo "empancanço" e once again a mãe consegue. E ontem pela terceira vez e ainda em menos tempo numa peça que ela pensava que o boneco tinha que saltar lá para cima, a mãe topou que aquilo deveria ser um íman e tinha que levitar até à alavanca para abrir a grade.

"Mãe, tu sabes mesmo tudo! És o máximo. Já sei que quando não conseguir tu vais ajudar-me sempre porque tu sabes tudo!"

Também fica fascinada quando eu a ajudo com o Português, com o Inglês ou com a Matemática, mas o olho brilha mesmo é no vício, que se há-de fazer!?

A verdade é que tantos anos volvidos, e eu ainda continuo a perceber de jogos. Para mim, vou pela parte estratégica e de algum raciocínio, é o que me dá gozo. Tentar perceber o que quem desenvolveu o jogo pretendia ou o que pretenderia eu se o tivesse criado. A partir daí passam-se níveis com alguma facilidade.

No entretanto já sei que enquanto for passando os níveis dificeis, a miúda me vai continuar a achar  máximo. Que alguém me ponha nos píncaros, porque eu na verdade, mereço :)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.