Avançar para o conteúdo principal

Pois é

Chegámos a casa muito bem dispostas (entenda-se, a minha filha), muito cooperante, uma querida.

À hora de deitar embirrou que queria dormir com o meu smartphone, é assunto que à partida nem tem discussão, mas teve...e muita, não se contenta com um não, e grita, esperneia, começa com tiques de má educação e depois a birra não se resume ao smartphone, já passa para tudo o que mexe e não mexe.

E eu não cedo, e ela ainda berra mais, pego-lhe sem grandes delongas e coloco-a de castigo; contra-argumenta que quer o telefone e que não vai dormir e que não gosta de mim.

Recuso-me a discutir com um pigmeu de 3 anos que ainda por cima fui eu que pari!

Continua a querer conversa e apenas lhe digo que tenha ela que idade tiver, se há coisa que jamais lhe admitirei são faltas de educação e se tiver que levar uma palmada, leva mesmo; e há uma linha intrasponível, a do respeito e tanto lho exigo, como lhe confiro também esse direito.

O pico teve um retrocesso, as desculpas que se recusou a assumir, pede-as agora em exagero, diz que gosta de mim e pede baixinho o telefone - mas hoje jamais lhe farei essa vontade; as desculpas estão concedidas, mas o sorriso aberto do costume, com grande pena minha hoje não lho dou novamente.

Custa, raios, eu tenho um amor incondicional pela minha filha, estou cheia de vontade de a cobrir de beijos, que raiva....mas não, prefiro estar eu em sofrimento e sentir que estou a fazer tudo por tudo por criar uma filha com valores e carácter, e por muito que custe em casos como o de hoje, a firmeza e o não vergar perante o pigmeu são de facto a melhor das lições que lhe posso dar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri