Avançar para o conteúdo principal

Quando a minha criança apronta

Vejo-me e desejo-me, é o que tenho a dizer.

Noite de passagem de ano - começa a esconder um dedo da mão e a dizer que tinha dói-dói - inspeccionei o membro e a Bébécas deve ter decidido arrancar peles e aquilo infectou, tinha já uma ponta de pus. Bem, vi logo que não me safava de uma pequena intervenção, mas seria melhor quando estivesse a dormir.

Nem uma hora depois, ainda antes dos momentos das 12 badaladas nova inspecção, e tinha o quadruplo do pus, o dedo completamente disforme - bonito, pensei!

O pessoal a começar a abanar-se, porque realmente o aspecto não era agradável; lá contei até 10 internamente e aquilo não podia esperar por ela ir dormir, lá me armei em enfermeira (falta cá a minha querida avó) e apenas com um leve apertão aquilo explodiu; era pus por todo o lado, verde e amarelo, o pessoal em stress, eu calada que nestes momentos não falem comigo e a criança chorava, como é óbvio, mas teve que ser.

Quando saiu a pontinha de sangue fiquei aliviada, lá limpei tudo, muito bem desinfectado e a cria a olhar-me de lado porque eu lhe tinha feito dói-dói - há-de perceber um dia que quando a mamã põe a mão, é para curar, e não o contrário.

No dia seguinte, algo que eu previa aconteceu e voltou a infectar um pouco, é normal, por muito asseio que haja, as crianças andam sempre com as mãos onde não devem; muito menos aparatoso, não justificava uma acção imediata, quando já tinha pegado bem no sono lá fui de agulha esterilizada na chama acabar o serviço - em teoria aquilo não dói porque tratava-se de pele morta, mas como a minha filha dorme "com um olho no burro e outro no cigano" topou-me e começou a querer chorar e fugir com a mão...mas consegui limpar tudo.

Está melhor; agora é esperar que aquela pele excedente seja reabsorvida e temos o dedo como novo; assim o espero.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.