Avançar para o conteúdo principal

A propósito do restauro do Salão Nobre do Palácio da Pena

Apraz-me referir, que tanto dentro, como fora de portas, foi dos monumentos que mais gostei de visitar.

Os jardins têm detalhes muito românticos, mas o que me fascinou foi mesmo o interior do próprio palácio, ainda que o seu exterior tenha sido inovador na época em que foi edificado.

Acho que as iniciativas para restaurar o nosso património são de facto louváveis e todas estas obras que fazem parte do nosso legado, merecem-no.

Mas do que me lembrei hoje, foi também de um dos quadros que admirei até hoje e que mais me impressionou; trata-se de uma pintura que está se não estou em erro ou no próprio Salão Nobre, ou na Sala Árabe, que tem entre outras coisas a imagem de uma criança (creio que de um infante) em que o pintor conseguiu transpor para a tela dois fenómenos:

1 - Ao percorrermos a dita sala de um ponta à outra aquele pequeno infante, parece ter vida e se mantivermos o nosso olhar no dele, ele segue-nos com um brilho de um vivo, por todo o percurso da sala

2 - Consequentemente, estejamos nós onde estivermos e se olharmos para ele, ele está ali, exactamente a olhar para nós

É uma experiência muito interessante e que me causou estranheza, admiração e ao mesmo tempo um arrepio. Acho que é daquelas obras que está para além da Arte.

Tenho que lá voltar...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri