Avançar para o conteúdo principal

A propósito do restauro do Salão Nobre do Palácio da Pena

Apraz-me referir, que tanto dentro, como fora de portas, foi dos monumentos que mais gostei de visitar.

Os jardins têm detalhes muito românticos, mas o que me fascinou foi mesmo o interior do próprio palácio, ainda que o seu exterior tenha sido inovador na época em que foi edificado.

Acho que as iniciativas para restaurar o nosso património são de facto louváveis e todas estas obras que fazem parte do nosso legado, merecem-no.

Mas do que me lembrei hoje, foi também de um dos quadros que admirei até hoje e que mais me impressionou; trata-se de uma pintura que está se não estou em erro ou no próprio Salão Nobre, ou na Sala Árabe, que tem entre outras coisas a imagem de uma criança (creio que de um infante) em que o pintor conseguiu transpor para a tela dois fenómenos:

1 - Ao percorrermos a dita sala de um ponta à outra aquele pequeno infante, parece ter vida e se mantivermos o nosso olhar no dele, ele segue-nos com um brilho de um vivo, por todo o percurso da sala

2 - Consequentemente, estejamos nós onde estivermos e se olharmos para ele, ele está ali, exactamente a olhar para nós

É uma experiência muito interessante e que me causou estranheza, admiração e ao mesmo tempo um arrepio. Acho que é daquelas obras que está para além da Arte.

Tenho que lá voltar...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.