Avançar para o conteúdo principal
A tragédia no Meco foi mesmo uma tragédia; não há palavra mais adequada para descrever aquele episódio.

Como mãe, nem quero pensar no sofrimento daqueles pais, família e amigos.

Como ser humano que também já passou pela Academia, tenho a dizer que as praxes são uma estupidez, não me venham com o estratagema de que servem para os caloiros se enquadrarem....BULLSHIT!

Servem sim para uns jovens de 20 anos prepotentes atirarem para cima dos semelhantes com 1/2 anos a menos as suas frustrações, sujeitando-os a parvoíces que só fazem rir de facto quem é parvo.

Não, não são uma lição de vida e não têm nada para nos ensinar; comecem a fazer praxes úteis; passem umas noites sem dormir com os sem-abrigo das nossas cidades a darem-lhes alento, ajudem animais abandonados a ter outra oportunidade, voluntariem-se para os IPO's e outras unidades hospitalares a darem conforto a quem mais precisa - isso sim, são verdadeiras lições de vida.

Agora inventar humilhações, seguir um dux alienado e acabar morto na flor da idade, por causa da preparação de uma PRAXE!?

Esclareçam o que tenham que esclarecer, ponham o dux a falar, os restantes jovens já não podem dizer a sua verdade, mas repensem esta porcaria - entramos para a faculdade para estudar e terminar com o maior dos sucessos o nosso currículo académico.

Que esta tragédia sirva para alguma coisa e que a morte daqueles jovens, não seja em vão. Quanto mais não seja, regulamentem.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.