Avançar para o conteúdo principal

Terminologia geracional

Parece que foi ontem, que não passaram tantos anos assim, mas já lá vão para aí uns 15/16 anos, desde que o jornalista Vicente Jorge Silva, num editorial do Público que ainda tenho, caracterizava a minha geração como a "geração rasca".

Na altura estávamos no auge da adolescência com imensos sonhos e ambições, hoje somos trintões com as ideias aparentemente no lugar (ou não), a vivermos as consequências daquilo que plantámos quando éramos rascas.

Não querendo atacar nem defender, o facto é que a tendência tem vindo a piorar; se éramos irreverentes, as gerações seguintes são-no em maior escala.

Naquela altura tinhamos respeito pelos professores e medo até que se fossem queixar aos nossos pais de algum mau comportamento;agora bate-se nos professores a propósito de um telemóvel.

Não se podia mascar pastilha elástica, ou não se mascava ou, no caso dos mais rebeldes, mascava-se disfarçadamente; agora perante um reparo de um professor ao facto de se estar a atender uma chamada telefónica na sala de aula, manda-se o mesmo para o "car*+#&" e à saída faz-se-lhe uma espera e chega-se a vias de facto.

O nosso maior medo era que os pais soubessem que tinhamos faltas injustificadas e que o belo do postal amarelo fosse enviado para casa; hoje é chique fazer o que apetece, ou, não sendo chique, é um comportamento digno de "respeito" pelos outros. A rebeldia e a falta de educação passam a constituir um posto.

Ainda conseguimos algumas conquistas, as nossas greves ainda acabaram com a palhaçada que foi a PGA, livrámo-nos de pagar propinas nos anos lectivos 1995-1996 e 1996-1997; houve excessos? Houve, é certo. O nosso colega que decidiu mostrar o rabiosque no meio de uma manifestação em que diziamos que não pagávamos...excedeu-se, mas hoje em dia assistimos a falhas bem piores.

E o que vejo é que apesar de tudo, nós, a Geração Rasca, conseguimos alcançar muitos dos nossos objectivos, concluímos a nossa formação académica, terminámos os nossos cursos numa época em que o desemprego não era tão real como actualmente, não era tão difícil arranjar o primeiro emprego, e mais cedo ou mais tarde conseguiamos encontrar algo compatível com os anos que andámos literalmente a "queimar pestanas".

Actualmente temos a "geração à rasca", temos licenciados brilhantes com percursos académicos brilhantes, a verem todas as portas fecharem-se nas suas faces e a terem como alternativa um qualquer call center do país e mesmo assim, já estão com sorte.
Se não for o call center têm a pizzaria, ou a caixa do supermercado ou então, a procura de alternativas no estrangeiro.

É preocupante esta passagem do "rasca" para o "à rasca" e consequentemente para o "extremamente muito à rasca".
E dou comigo a pensar...a que futura geração pertencerão os nossos filhos.

Comentários

Anónimo disse…
Eu nasci em 85, sou da chamada Geração X (cantada pelas Spice Girls no anúncio da Pepsi de 1998...). Tens toda razão, como sempre. Mas ainda há esperança; sempre que falo com amigos que estão fora de Portugal ouço "Aqui há tantas oportunidades!" e que fresca esta frase me soa! Andamos aqui empenados no conformismo. Há esperança, mas não aqui, infelizmente... Estou neste exacto momento a planear os meus voos (e esta frase também tem um sentido literal :D)
Brown Eyes disse…
Planear voos!? Parece-me um bom princípio.:)
Estás de facto na geração imediatamente atrás da minha e de facto as coisas não estão fáceis neste momento para ninguém.
Mas pelo menos que a esperança nos mova e traga um futuro melhor para os nossos jovens. Muitos deles merecem uma oportunidade e tu, terás a tua;-)
Anónimo disse…
Reflexão prazeroza neste sítio, textos como aqui está dignificam a quem quer que aparecer neste blog .....
Realiza mais do teu blog, a todos os teus cybernautas.
Mas houve alguém que mudou a designação (e bem) para geração à rasca. Alguma dúvida que a geração de 70 é a melhor que por aí anda?

Beijocas!

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Os adultos choram?

 - Claro que sim filha, porque não haviam de chorar quando sentem essa necessidade!? - respondi eu, ao que ela me diz: “Nunca te vi chorar mamã” Tantas lágrimas minhas lhe omito desde sempre, tantos momentos de dor, de tristeza...a minha filha pensa que eu sou um rochedo. Nunca me viu, ou não se lembra de me ter visto chorar. Poupo-a à preocupação de me ver desabar quando tal acontece e, pelos vistos, com sucesso. Mas a mãe chora, e muito, muito mais do que desejaria, sem dúvida.