Avançar para o conteúdo principal

Incongruências na Igreja

Anda a ser difundida pelos orgãos de comunicação social a notícia de que, embora o Papa Bento XVI seja oficialmente dador de orgãos desde há alguns anos, o facto de ser actualmente Sumo Pontífice deita por terra esta sua vontade.

Segundo o próprio o facto de se ser dador de orgãos é um "acto de amor" - e é. Chamemos-lhe amor, respeito ao próximo, espírito de dádiva, enfim, mas que é um gesto muito nobre é.
Não podemos condenar quem opta por não o fazer; temos o nosso livre arbítrio, as nossas convicções e cada qual é como cada um, mas é de louvar as pessoas que o fazem, sem qualquer dúvida.

Termos a capacidade de dar vida ou prolongá-la faz com que a nossa simples existência tenha feito sentido e não tenha sido em vão.

Agora o que me irrita, e voltando à problemática de Sua Eminência Reverendíssima o Papa Bento XVI, é que se o próprio tem essa vontade, virem as Sumidades da Igreja Católica dizer que não, porque aquando da sua morte, o corpo de um Papa pertence à Igreja e terá que ser sepultado intacto.

Mas que raio de Igreja é esta que vem a público com uma explicação tão pouco humana?? Sem que a temática o permita, apetece-me ironizar um pouco - e se o senhor em causa já não tem hipoteticamente apêndice? E os dentes, serão todos os de origem?

Caramba, se a entidade máxima da igreja católica quer doar os seus orgãos e demonstrar o seu altruísmo, é humano como todos nós, porque não deixá-lo dar o exemplo? Será pecaminoso?

Então e se o próprio desenvolver entretanto uma patologia que necessite de um transplante...também não o farão? Aí também terá sua santidade que ser exposta ao sofrimento, não lhe poderá ser prolongada a vida com alguma qualidade, porque quanto morrer tem que ir "comme il faut"?

Fica a reflexão!

Comentários

Ministério disse…
Olá, blogueiro (a),

Salvar vidas por meio da palavra. Isso é possível.

Participe da Campanha Nacional de Doação de Órgãos. Divulgue a importância do ato de doar. Para ser doador de órgãos, basta conversar com sua família e deixar clara a sua vontade. Não é preciso deixar nada por escrito, em nenhum documento.

Acesse www.doevida.com.br e saiba mais.

Para obter material de divulgação, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br

Atenciosamente,

Ministério da Saúde
Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Os adultos choram?

 - Claro que sim filha, porque não haviam de chorar quando sentem essa necessidade!? - respondi eu, ao que ela me diz: “Nunca te vi chorar mamã” Tantas lágrimas minhas lhe omito desde sempre, tantos momentos de dor, de tristeza...a minha filha pensa que eu sou um rochedo. Nunca me viu, ou não se lembra de me ter visto chorar. Poupo-a à preocupação de me ver desabar quando tal acontece e, pelos vistos, com sucesso. Mas a mãe chora, e muito, muito mais do que desejaria, sem dúvida.