Avançar para o conteúdo principal

O quartinho da Tinkerbell

Ontem à noite a minha princesa trocou-me as voltas e não adormeceu na hora habitual.

Resumindo, brincámos, rimos, dissemos "bábábá", "mamama", conversámos na linguagem Bébécas, eis se não quando me lembrei...e se fossemos começar a escolher os móveis para o quarto dela?

Sim, porque isto de andarmos a partilhar quarto não vai durar uma vida inteira, os brinquedos já são muitos para arrumar, os livrinhos herdados da mamã, portanto, está a chegar a altura de deitarmos mãos à obra e terminar a decoração do quarto da princesa.

Camas não faltam, pois a seguir à caminha de grades, já tem a cama de "gente grande" e o roupeiro também. Faltam as estantes, prateleiras, tudo digno do Ser especial que ela é.

Entre catálogos e folhetos, com coisas lindas e coloridas e eu a tirar medidas e a magicar onde iria colocar o quê, ela olhava para mim e participava nas escolhas, como que percebendo que era o mundo dela própria que estavamos a idealizar.

E a minha paixão por ela continua a crescer, de dia para dia.

Comentários

Mas nada de muito caro, pois quando ela começar a ter gosto próprio, lá vai tudo porta fora!
Brown Eyes disse…
Tens toda a razão; embora o meu primeiro impulso fosse transformar o quarto dela na mais bela ala infantil do "mundo", é um facto que a opinião dela a seu tempo será preciosa, e rapidamente vai deixar de gostar das flores verdes e vai passar a gostar dos quadrados lilases;-)
Por vezes o mais importante é termos criatividade e nada de grandes projectos decorativos, aos quais eles muitas vezes nem ligam.

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.