Avançar para o conteúdo principal

O sono da Bébécas

Bébé que se preze, pelo menos nos seus primeiros meses de vida, passa a maior parte do dia...a dormir. O restante tempo é passado entre mudas de fraldas, banho e leitinho.

Quando começam a interagir e a fazer as suas gracinhas, os soninhos tornam-se por um lado mais intercalados, mas também mais "pesados", pois a canseira da brincadeira "não mata, mas mói"...e vê-la a dormir o sono dos justos é enternecedor.

Uma das coisas que aprendi no curso de preparação para o parto foi a importante questão das "margens". Quando nascem, os bebés estão habituados ao seu espaço diminuto no ventre materno, sendo que os pontapés que sentimos são exactamente a sua procura pelo seu espaço e a tentativa de perceberem até onde vai o seu território.

Quando nascem, as novidades são muitas e passam a ter muito mais espaço livre, o que lhes deve causar muito conforto, mas ao mesmo tempo muita curiosidade. Por isso ensinaram-me que é importante no início fazer a cama da Bébécas à espanhola, com uma margem definida por mim, para que possa explorar apenas até certo ponto a fim de evitarmos riscos de asfixias e outros acidentes da mesma linha.

Nos seus primeiros meses de vida dormiu num bercinho adaptado ao seu tamanho, algumas vezes na alcofa e no dia 1 de Janeiro, para seguirmos a máxima do "Ano novo, Vida nova" fizemos a mudança para a caminha de grades, enorme, com o móbile luminoso e tudo o de mais bonito a que tem direito e, incrivelmente lá andou ela a explorar a nova mobília.
Pois que, tal como aconteceu no berço e na alcofa, a Bébécas adormece invariavelmente com a cabeça encaixada num dos vértices superiores, totalmente aninhada a lembrar ainda a posição fetal.

Decorridos 7 meses e alguns dias, desde que deixou o habitáculo materno, continua a conservar estes gestos que jamais esquecerei.

Comentários

Aproveita bem todos os momentos, pois não se voltam a repetir. A não ser que tenhas mais filhos, claro, mas não há experiência como a primeira.

Beijocas!

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.