Avançar para o conteúdo principal

Dia de S. José

Sobretudo para quem é Pai, hoje, dia 19 de Março de 2008 celebra-se mais um Dia do Pai.

O dia em que os papás recebem uma mensagem especial da sua prole, o dia em que as criancinhas mais jovens vêm todas contentes dos infantários e das escolas com os trabalhos manuais feitos por eles como forma de demonstrar o seu carinho ao seu herói, o dia em que as mamãs têm que ir a correr ao centro comercial comprar uma qualquer lembrança com mais ou menos bom gosto para a criança oferecer ao pai.

Acho muito interessante que se celebrem estes e outros dias, mas, tal como oportunamente referi em relação ao Dia de S. Valentim, não concordo nada com as estratégias de marketing que giram em volta destas datas. Ele são as monstras das lojas recheadas de coraçõezinhos e diplomas para o melhor Pai do mundo, ele são os peluches do costume, já para não falar dos pijamas e dos boxers...mas afinal é assim que demonstramos aos nossos pais o quanto gostamos deles?

Não creio. Lembro-me como se o tivesse feito hoje, da prenda para o meu Pai (que nunca tive oportunidade para lhe entregar) que mais empenho teve da minha parte. Não teria mais do que 3/4 anos e a tarefa sugerida pelo infantário foi forrar uma carteira de fósforos em papel dourado - com a ajuda da educadora, pois a nossa destreza com aquela idade não é particularmente digna de destaque.

Depois de forrada, tínhamos que picotar um desenho; lembro-me de ter feito um sol e um boneco de pernas para o ar. E embora o meu Pai não estivesse lá para receber esta prenda feita com tanta dedicação, ficou lá sempre guardada para lha entregar quanto tal fosse possível. Quis o destino que a casa em que vivia fosse assaltada, e os amigos do alheio, vá-se lá saber porquê decidiram levar na sua sacola (a par com outros pertences) a minha obra-prima.

Pois acho que se uma imagem vale mais do que mil palavras, também um objecto feito pelas crianças, por mais insignificante que possa parecer tem muito mais valor do que peças por vezes caras e sem grande utilidade.

Comentários

Unknown disse…
Olá, espero que esteja tudo bem?
Tal como tu, tenho a mesma ideia sobre estes dias "temáticos", em que o tema tem cada vez menos importância, mas sim o mercantilismo que o envolve.
Eu não sou pai (ainda), mas quando o for, prefiro mais um beijo com amor de um filho meu, do que outra coisa qualquer comprada algures.
Fica bem
Pipas
Concordo inteiramente com tudo o que dizes neste texto. Realmente o importante é a intenção, e não o valor da lembrança.
Bjs.

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…