Avançar para o conteúdo principal

E é tão interessante o "saber"

Ontem à noite apanhei um documentário na RTP2 acerca da família imperial Russa. Qualquer coisa parecida com "A última viagem do Czar", ou algo assim.

Claro que despertei, ou não fosse um dos aspectos da História que bastante me fascina, o Czar Nicolau II, a Czarina, a sua queda, morte, descoberta dos corpos décadas depois….ah, e o Rasputine, ou não me aparecesse esse personagem em sonhos de vez em quando.

Era um déspota aquele Czar, mas tinha uma vida que era qualquer coisa. Aqueles palácios, aqueles interiores, a componente familiar e o amor que nutria pela família.

O documentário de ontem focava mais o declínio do império, os seus "exílios" por aquela Rússia fora, até ao destino final e fatal, lá aparece o Lenine….e algumas imagens do povo da época.

Fiquei petrificada com os números - em 1917/18 existiam naquele país cerca de 400 milhões de pobres, pessoas que trabalhavam de sol a sol e que pouco lhes sobrava para alimentar os seus filhos.

Mas aquele Czar, mesmo a viver uma vida de reclusão nos últimos meses antes da sua execução, continuava a manter uma altivez que apenas deve ter perdido quando a primeira bala lhe acertou.

Ao mesmo tempo que lamento, e acho que foi uma barbaridade assassinar assim uma família inteira à queima-roupa com crianças incluídas, por outro acho que de facto no estado a que chegou aquele país, os Bolcheviques não tiveram outra hipótese e não acho que o Lenine tenha sido propriamente um bandido como muitos referem.

Na dúvida, é melhor não ser déspota. Mesmo assim, continuo a ter um fascínio pela família imperial Russa e um apetite ainda mais aguçado para ir sobretudo a S. Petersburgo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.