Avançar para o conteúdo principal

O arquivo

Infelizmente as pessoas não têm a mínima noção das coisas, nem de quão irresponsáveis poderão ser e os danos que tal pode causar.

Tento não faltar com nada à minha filha e trato de lhe provir as necessidades do dia-a-dia; não faço mais do que posso, não caio em exageros, mas há gastos que acabam por ser inalienáveis e essenciais.

Tenho um arquivo com tudo o que a ela diz respeito, desde que nasceu, apenas e só por questões judiciais e jamais pela minha relação com ela. E por vezes pergunto-me como é que enquanto mãe estico euros, porque tem sempre que existir alimentação, medicamentos e consultas médicas sem pré-aviso, gastos com educação (e por vezes ter que dizer que não pode ir ao passeio X ou à semana da praia porque tive um gasto de 400€ com o carro e não tenho mais onde ir buscar, ou apareceu o IMI, ou a máquina de lavar se avariou, etc.) e ter que se lidar com criaturas que de humano têm o código genético, porque de resto...acharem que dando o que podem, os seus descendentes que se governem.

É irónico este sistema de coisas, porque essas mesmas pessoas após os seus choradinhos, aparecem com mais um, e depois outro e outro descendente e têm a coragem de achar que fazem o seu melhor, nem sequer questionando por um lado se o seu melhor é suficiente, por outro se é necessário um nível acima do que o seu melhor e, ainda mais, trabalhar, dar o corpinho ao manifesto para evitar que um filho passe alguma provação.

Os gastos da minha filha num mês particularmente difícil como o foi o mês de Maio - rondaram os 625€, não estando incluída a quota parte de água, luz, gás, transporte, etc, mas estando incluída a cadeira auto que tive que lhe comprar para o grupo 2 + 3; se tirarmos esse valor seria um mês de cerca de 435€ a acrescerem as tais despesas.

Ora, se a diferença de ordenados entre mim e o progenitor se quadra em pouco mais de 3 centenas de euros, o meu agregado é composto por ambas e tenho um empréstimo à habitação a cargo, como é que uma criatura destas, com 2 ordenados, já que não vive sozinho, as despesas que apresenta do dia-a-dia serem repartidas por 2 pessoas, apenas paga, e neste momento à força 100€ de pensão de alimentos, saúde, educação, extras, assim a modos que um regime de tudo incluído. É interessante; fora os dias em que uma mãe tem que faltar ao trabalho porque tem a criança doente, e deixa de receber ordenado, etc, etc, etc.

Acho que o que está a dar é ir para a televisão, porque de facto isto é um escândalo. Ahhh, atenção que a miséria é tanta que estas pessoas podem ser avistadas ao volante de carros de marcas reles como Mercedes e por aí....confesso que em dia de acertar a papelada e fazer as contas, a vontade é mesmo ir à televisão e fazer com que alguém lá de cima veja muito bem estas situações!

Paz às suas almas...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.