Avançar para o conteúdo principal

Banhistas podem ser multados por causa do chapéu-de-sol - Portugal - DN

Banhistas podem ser multados por causa do chapéu-de-sol - Portugal -



Ora bolas, já não se pode ser pobre; nem uma nesga de sombra, valha-nos Deus.

Comentários

Anónimo disse…
Não sei se entendi a notícia. O concessionário não pode ir além da metade do areal; entre a metade deles (lá com os seus 30 %distribuídos) e o mar, não se pode pôr chapéus de praia, é isso?
Brown Eyes disse…
Pois, foi exactamente isso que percebi - podem colocar a toalha apenas, caso contrário estragam a vista aos ricos.
Anónimo disse…
Como é que isto é legal?! Estou abismada. Com o índice de ultra violeta máximo no nível 10, que é o habitual em Julho e Agosto, as pessoas são obrigadas a escolher entre privarem-se de ir à praia por falta de espaço, ou ficarem ao sol para os que não querem levar material poderem ver o mar! Estamos na China ou quê? Fico doente com estas coisas!

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,