Avançar para o conteúdo principal

Sapatos novos para a Bébécas

Para os mais distraídos, poderão pensar que a Bébécas passa os invernos como os mesmos sapatos...mas não, ela cresce e o pé tem acompanhado e bem o nivel de crescimento dela; hoje deram-lhe 4 anos, e a criança ainda nem os 2 anos e meio perfez!

Lá lhe fui comprar mais um par, ficam-lhe tão bem, parece uma boneca. E mostrar-lhe uma fotografia minha com pouco mais do que a idade dela, com uns sapatos semelhantes e ela pensar que se tratava dela própria!?

Foi o delírio.

A novidade deste ano é haver palas de todas as cores para se poder conjugar com as indumentárias. Lá vieram os belos dos sapatos e umas palas! Não largava a caixinhia e mostrou a todas as pessoas com quem se cruzou hoje!

Comentários

Aline disse…
Onde comprou? Ando à procura de umas assim, com esse rasto, para a minha M. e não encontro em lado nenhum!
Obrigada!
Brown Eyes disse…
Boa noite; passo a publicidade e digo-lhe que encontra com toda a certeza na Pukatuka em Miraflores, na Gama Rústica no Parque das Nações e na Bianca que existes nalguns centros comerciais.

Tanto a Pukatuka como a Gama Rústica têm a opção de comprar pela internet e entrega em casa.

Espero ter sido útil!

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,