Avançar para o conteúdo principal

23 anos depois de um dos dias mais emblemáticos da História


Embora ainda tivesse uma tenra idade, lembro-me perfeitamente do corropio lá em casa, da admiração, das conversas relacionadas com a Guerra Fria, da empregada que tinhamos em casa na altura a chorar de emoção, pois tinha sido emigrante na Alemanha durante vários anos...enfim, é daqueles dias que jamais esquecerei.

Mal sabia eu que uns quantos anos depois ia tirar fotografias simbólicas com uma perna de cada lado do extinto muro, como prova de que ele esteve lá, mas agora só resta uma linha com a inscrição Berliner Mauer e podemos circular por ambos os lados livremente.

Não sei se por isso, se pela aproximação da visita da esposa do Sr. Merkel, a minha Bébécas hoje a qualquer pergunta que lhe fazia, em vez de responder o já tão afamado "não", dizia nein.

Mas que raio, pensei eu....passam-se anos que não falo o pouco alemão de que ainda me lembro e onde é que ela foi buscar o nein e aplicá-lo adequadamente dentro do contexto?

A Bébécas tem ali qualquer coisa...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri