Avançar para o conteúdo principal

Brilhante

Já há uns tempos andei para aí a dissertar acerca da estupidez humana, que, ao contrário da inteligência, não tem limites.
Não falo de burrice, nem nada por aí, falo mesmo de pessoas estúpidas e pesa o facto de que a estupidez levada aos seus limites, é uma característica bastante perigosa.
Não tanto para o ser vivo que é estúpido, mas para quem arca com as consequências da sua indubitável estupidez.

Mas fiquei-me por aí, não desenvolvi muito o tema.

Eis que me deparo com um post de um ex-professor meu dos tempos de faculdade, que passo a citar ipsis verbis e que de facto tem lá tudo:

"Pior do que um básico é uma pessoa estúpida. Ainda que, frequentemente, se reunam na mesma pessoa as duas categorias. Albert Einstein terá dito: "só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana e quanto ao primeiro não tenho a certeza". Carlo Cipolla, considerou a estupidez humana "uma das mais poderosas e obscuras forças que impedem o crescimento do bem-estar e da felicidade humana".
 Cipolla escreveu sobre o que considerou as Leis Fundamentais da Estupidez Humana. Diz Cipolla, na terceira lei, mais ou menos isto: se das acções de um indivíduo resulta prejuízo para si mas benefício para terceiros, esse indivíduo é um incauto. Se da sua acção resulta um benefício para si e também para os outros, esse indivíduo é inteligente. Se da sua acção resulta benefício para si mas prejuízo para os outros, estamos em presença de um bandido. Mas da acção de um indivíduo pode resultar prejuízo para os outros sem que ele beneficie, podendo mesmo sair prejudicado com a sua própria acção. Neste caso estamos em presença de um estúpido. A terceira lei da estupidez humana diz que "uma pessoa estúpida é uma pessoa que causa um dano a outra pessoa, ou grupo de pessoas, sem que obtenha com isso qualquer benefício ou, inclusive, obtendo um prejuízo"."

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…