Avançar para o conteúdo principal

Experiências de Parto

Nos últimos dias não o posso evitar e as leituras que faço, as conversas que tenho com os mais próximos estão todas centradas no momento que mais dia menos dia, mais hora menos hora vou também eu estar a viver.

Cada caso é um caso, cada um tem a sua experiência e cada um vive esse momento à sua maneira, mas não deixo de estar centrada em absorver o máximo de informação possível, já que a situação acaba por ser imprevisível e tudo pode acontecer.

Tenho uma amiga desde os tempos idos de faculdade que tem um blog lindíssimo dedicado ao filhote e hoje deu-me para lá ir absorver toda a informação que ela relata acerca do nascimento do Lou. Fechei os olhos e senti alguma da ternura que ela experimentou naquele momento, caíram-me as lágrimas e senti uma "inveja" positiva da forma como tudo se processou com ela e da forma tão feliz que ela relata aquele momento.

Aqui deixo alguns excertos:

"(...)Virei a cara para não ver o reflexo do que faziam num vidro de um armário. O médico diz qualquer coisa como «A tentativa era honesta, mas ele estava mesmo muito subido!» e «Eh lá! Este é moreninho». E falavam muito todos. Mas não comigo. De repente ouço chorar. Era ele! Aí sim, emocionei-me. É sem dúvida uma sensação indescritível. Trouxeram-mo ao meu lado e eu achei que tinha muito cabelo e a cara quadrada. Não vi mais nada. Ouvi-o a chorar ao longe. Presumo que continuaram o serviço. A mim só queria que me deixassem em paz. Talvez me apetecesse dormir um pouco. Mas não. Mexe e remexe, põe daqui, passa para ali. Nesses intantes só pensava «E agora? O que é que eu faço? Agora é a sério. Serei capaz de tratar dele? De cuidar dele?».

"(...) Levaram-me para o recobro, onde percebi que o iam levar logo logo e onde também estavam os pais. Alguém dizia que o meu homem chorava que nem uma madalena, sorri. Fiquei à espera que viessem os meus amores. Estupidamente feliz."

Sem grandes delongas e olhando para a frente, para trás e para os lados dou comigo a pensar - como é que há pessoas que tenham a coragem de se demitir das suas funções, de gozar estes momentos, de os partilhar em uníssono, de os viver, de os deixar para sempre gravados na memória...e tudo isto por mero egoísmo, mera má formação moral, em que um copo de cerveja, um bar mais ou menos duvidoso e os amigos de ocasião pesam bem mais na balança do que a construção de uma família...

É triste...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…