Avançar para o conteúdo principal

Enola Gay

Hoje tive o meu momento de revivalismo, de saudosismo ou o que lhe queiram chamar.

Vinha eu a fazer a travessia trabalho - lar doce lar, o rádio sintonizado na estação do costume e começo a ouvir uns acordes que não ouvia há anos, anos luz...quase.

Então não é que eram os O.M.D. a tocar e a cantar a famosa Enola Gay??

"Enola Gay, you should have stayed at home yesterday
Oho it can't describe, the feeling and the way you lied..."


Nananananananana nananananana nananananananana nanananana

Ok, já me passou o devaneio, mas foi impossível não deixar de reviver os anos 80 em que esta música tocava sem parar e eu era uma criança inocente e olhava com alguma estranheza para a minha mãe e amigas, com umas roupas estranhas e sombras nos olhos vistosas a dançarem alegremente estes e outros sons.

É de lamentar apenas que ainda hoje tenha ouvido esta música com tanta alegria, e ter sido o próprio Enola Gay a causa de tanta devastação em Hiroshima corria o ano de 1945, quando lançou a Bomba Atómica.

Enfim...dicotomias mundanas.

Comentários

Unknown disse…
Ora aí está uma sensação pela qual também passo sempre que oiço essas músicas, (apesar de ainda ser criança na década de 80 e ter vivido mais intensamente o início da década de 90 com o "movimento grunge"), lembro-me de me esconder atrás das portas, para ver e ouvir os meus primos já adolescentes na época, com os seus gira-discos portáteis ou com os gravadores de cassetes pequenos, a ouvirem os vinis, as cassetes e também os programas de rádio, como o "Rock em Stock" ou o "Som da Frente", que muito contribuiram para a minha cultura e gosto musical. Dá vontade de dizer...
"...Ó tempo volta p'ra trás..."
Beijo
Pipas

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,