Avançar para o conteúdo principal

O Corcunda de Notre Dame - mais do que tudo, uma lição de vida

 No passado fim de semana foi pela primeira vez ao Casino do Estoril. Não lhe mencionei nada antecipadamente, caso contrário seria uma agitação, mas quando se vê no carro e o mesmo a ser estacionado lá à frente ficou em êxtase. Pensava que ia sair de lá milionária e colocar moedinhas nas slot machines. Sua marota!

Se ela soubesse que a primeira vez que a mãe entrou num Casino, nem sequer foi em Portugal Continental, já estava perto dos 30 anos e achei aquilo uma roubalheira....

Mas vamos ao que interessa, porque os Casinos têm mais do que "jogo". E foi precisamente para não jogar que lá fomos. Desta feita fomos à ante estreia do Musical do Corcunda de Notre Dame. À entrada ficou logo entusiasmada com o Pedro Granger, depois quem nos encaminhou para os nossos lugares foi o Henrique Feist, pessoa que eu admiro desde sempre e ainda demos ali uns dedos de conversa. Portanto a experiência começou bem.

Sala cheia, muitas crianças, maiores e mais pequeninas, mas todas elas muito ordeiras e acima de tudo a causa. Toda a receita daquela ante estreia foi doada à Ajuda de Berço, portanto acho que sem excepção, entre actores, músicos, equipa técnica e assistência, terminámos ali com uma lágrima no olho com os fundos que conseguiram angariar.

O musical em si valeu muito a pena, sobretudo pelas lições que deixou no ar e que na sociedade de hoje, como naquela em que a cena se passou, fazem tanto sentido. Chego à conclusão que pouco se aprendeu e evoluiu, mas se de facto pudermos no nosso pequeno meio fazer algo de diferente, já é por si só um feito. Gostámos muito, venham mais como este.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…