Avançar para o conteúdo principal

Médicos atenciosos

 Mesmo quando o seu paciente/cliente não aparece lá há mais de dois anos, porque o Covid foi desculpa para muita coisa e na realidade o que me levou àquela especialidade em especial (eu e os pleonasmos!) também se dissipou no tempo e deixou de acontecer, quis o acaso que me visse a braços novamente com a sintomatologia e com uma manifestação algo catatónica.

Liguei para a Clínica e só tinham vaga para final de Dezembro. As vozes da oposição que dão a sua opinião sempre com boas intenções começaram logo a alvitrar a ideia de ir a outro médico. Mas eu tenho um problema, sou fiel. Se gosto não mudo, e não deixo de gostar porque acordei virada do avesso. E talvez por isso não consiga perceber a volatilidade das relações humanas, mas essa dissertação fica para outro dia.

Bom, ainda na semana passada falei com a Secretária do médico que me disse que era impossível outra data, lá lhe expliquei que tinha ido parar à urgência e embora as coisas estivessem controladas, era aconselhável que ele me analisasse e tecesse as suas considerações. Eu tinha maneira de contactar com ele de outra forma...mas, também não estou a falecer, digo eu, e se falecer olhem, vou em paz. Nunca gostei de corridas com obstáculos. Estatelei-me várias vezes no tartan do liceu.

Vai daí, realmente tinham-me dito que iam falar com o Dr. e que me diriam alguma coisa na sexta-feira passada, só que não. E eu tive uma semana tão cheia, apesar do feriado, que ainda não tinha considerado sequer ligar para lá, ou seguir os conselhos dos mais impacientes e procurar outro médico. Médicos, amigos, amores...não se procuram nem se encontram assim. São coisas mágicas na vida, portanto quando encontramos, não estragar é o limite.

Hoje de manhã ligaram-me. Tenho consulta na próxima terça-feira. Optaram por me manter, mesmo assim, a consulta para Dezembro, não vá eu necessitar de manter uma certa regularidade. As pessoas boas, competentes, humanas e decentes, são-no de facto e não escorregam. Os restantes, são o que são.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…