Avançar para o conteúdo principal

06 de Outubro de 1998 - 24 Anos

 De há 24 anos a esta parte, este é um dos dias "não". Está aliás no top 3 dos dias "não". E assim será enquanto eu por cá também estiver.

Não foi sequer o último dia que vi a minha avó com vida. Neste dia, há 24 anos, não a vi sequer. Comunicámos fisicamente no dia anterior, e a partir daí que se lixe a República, mas é sempre aquele dia estranho em que a minha avó estava naquela cama de hospital fisicamente, mas a sua essência já não habitava aquele corpo. Mas respirava, a temperatura corporal era normal. Tinha (alguma) vida. No dia 6 tudo se desencadeou rapidamente, e às 12:50h partiu sem que lhe pudéssemos olhar jamais para aqueles maravilhosos olhos azuis.

O dia foi surreal. Notícia da morte, a minha premonição costumeira umas horas antes, tentar vê-la mas com as burocracias de morgues, foi impossível, folhear catálogos de caixões e lençóis e panos para cobrir a face. Tudo coisas que aos 20 anos eu nem sequer considerava que se passavam assim. Escolher a roupa, sapatos e eu, completamente anestesiada, mas pensando sempre onde raio estaria a minha avó e se, mesmo assim, inerte e sem vida, estariam a tratá-la com cuidado.

Mas a sensação continua a mesma. Uma saudade que me invade, uma saudade imensa, ter a noção que não a vejo há quase 1/4 de século, que tenho hoje a idade que a minha mãe tinha quando ela partiu, que já passou tanto tempo, mas que parece igualmente não ter passado tempo algum. Parece que a nossa última conversa ocorreu ontem, há escassas horas e ainda lhe sinto o cheiro, ainda tenho presente aquele olhar, aquela voz irrepetível e a força de viver. A generosidade, a empatia, a entrega ao próximo. A minha avó foi tudo e continua a ser, mas acima de tudo, foi mesmo uma Grande Mulher!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…