Avançar para o conteúdo principal

O Bolo Rei

 Não vou dissertar acerca do bolo em si, até porque não sou apreciadora. Vá, uma fatia por ano da Presidente ou da Versailles, mas fico-me pela fatia mesmo e no fim, a saudação para praxe, até para o ano, se cá estiver.

Também não vou falar acerca do acervo do mesmo na cavidade bocal do Sr. Silva há uns anos atrás, para fugir a questões desconfortáveis dos "malandros" dos jornalistas.

Centro-me apenas no facto: quando começo a ver bolo rei à venda em fins de Setembro e princípios de Outubro, está dado o mote para a inclemência, a ganância, a loucura. Não tem emenda. Nem pandemias, nem guerras, nem aumento exponencial das prestações a pagar ao banco, nem os iogurtes terem aumentado 0,30 cêntimos, já para não falar nas viaturas automóveis, autênticos sugadouros de gasolina.

Retomando o tema do bolo rei! Eu ainda não o tinha visto na vitrina da pastelaria do hipermercado, mas farejei-o. E não pelo aroma, mas pelo olhar enlouquecido dos transeuntes a agarrarem em tudo como se o Natal fosse amanhã. Fui empurrada uma série de vezes ora na fila do pão, dos legumes, sendo que como ando mais leve do que é comum, de uma das vezes ia caindo mesmo, e veio um salvador que me segurou e ainda lançou umas quantas palavras menos simpáticas a quem me derrubou. Não sou destas agressividades, mas depois deu-me uma certa vontade em atirar o carrinho semi-cheio para cima de uns quantos histéricos, que deviam por tele-transporte ir parar às filas de racionamento da II Guerra Mundial a ver como se comportariam. 

A espécie humana é mesmo desumana, vil, reles e ordinária...infelizmente na sua maioria.

Sem ser a analogia do bolo rei, há uns dias atrás aconteceu-me o seguinte, sendo que não conduzo nada mal, sou cautelosa, cumpro as regras...mas sou humana, também me engano e a sinaléctica nem sempre ajuda. Ora estava ali pelas imediações de Telheiras, um tracejado no chão baralhou-me e entrei discretamente em contra-mão. Parei logo, 4 piscas, olhei em volta, vinha de cima um senhor de idade a quem pedi logo desculpas e fiz marcha-atrás rapidamente sem prejudicar ninguém, até que quase que passando por cima do tal senhor idoso vem um gajo, para não lhe chamar nomes piores, montado num carro aí umas 4 vezes mais dispendioso do que o meu, olha para mim e mostra-me o dedo do meio...assim, do nada, ordinário, reles, e toda uma série de terminologias que eu podia apelidá-lo, mas que nem vocabulário tenho para isso.

Nunca na minha vida tinha chegado a tal leviandade e assumo ordinarice, mas eu naquele dia também já estava passada com uma série de coisas que me fugiram do controlo e ainda ter a minha mãe à minha espera com uma hemorragia na boca - o que se seguiu foi deprimente: voltei a pedir desculpa ao senhor idoso, abri o vidro do meu carro, porque cobarde é coisa que não sou, quem conhece a minha mão sabe que ela é gigantesca e o tamanho dos meus dedos faz-lhes jus, e levou com o meu dedo do meio, muito maior do que o dele e chamei-o: Ordinário!

Agi bem, não. Nunca na vida fiz uma coisa destas, mas até um anjo perante estas formas de estar na vida perde ou queima as asas. Estupor, estupores de pessoas que andam por aí e nem merecem sequer figurar no registo civil.

Mas acho que aprendi a lição - tão pouco me fiquei a sentir melhor por lhe ter atirado com o meu dedo médio gigante, mas apelidá-lo de ordinário até me fez bem. Depois fiz a minha manobra, voltei a pedir desculpas pelos maus actos ao senhor idoso...e lá fui buscar a minha mãe.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…