Avançar para o conteúdo principal

Em época Pascal, fui sonhar com a minha educadora do jardim de infância

 Há anos que não me assaltavam a memória recordações desses tempos da primeira infância mas quis o acaso que esta noite viajasse por esses tempos. Sonhei com a Irmã Teresa. Não andei em qualquer colégio católico, mas a verdade é que a minha educadora era freira, tinha o seu trabalho como outra pessoa qualquer, com o seu hábito azul e claro, todos a tratávamos por Irmã Teresa.

Não havia espaço para grandes picardias e birras parvas - estou a falar da sala dos 3/4/5 anos. A Irmã Teresa tinha sempre tudo controlado, austera e meiga qb. Não tínhamos medo, não, de todo. Não era essa austeridade agressiva. Mas sabíamos muito bem os limites que não podíamos transpor na sala, na mesa de refeições, no recreio.

Tenho saudades dela. Cerca de 40 anos volvidos e sendo já a Irmã Teresa uma senhora não muito nova na época, acredito que já não esteja entre nós, mas foi tão bom ter sonhado com ela, ter estado envolta no seu abraço, enrolada no seu hábito. 

Esteja onde estiver e sendo eu tão pequenina quando foi minha Educadora, nunca me esqueci de si Irmã Teresa, e o facto de ter sonhado consigo nesta altura do ano, é muito interessante. Nada é por acaso. Talvez onde estiver seja mais uma pessoa que toma um pouco conta de mim. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,