Avançar para o conteúdo principal

É o que dá não ler o Borda d’Água

 Saí para sentir um pouco de liberdade consentida - meia dúzia de metros até ao hipermercado. Pensei, Abril, estou farta de botas, botins, meias, ténis. Vou sair sem meia no pé! 

Sapatinho de nobuk e eis que a meio das compras começo a ouvir um barulho que me pareceu familiar. Quando saio da superfície comercial....bom, uma bátega de água das antigas. Sapato que não deve apanhar água, encharcado, pés molhadinhos e água até aos ossos.

A verdade é que soube bem, e só não me pus a dançar ali à chuva porque ainda não enlouqueci totalmente.

Os sapatos, esses até estão bem. Vale o spray milagroso da Aldo que lhes ponho de quando em vez para os proteger deste tipo de acaso. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

E ela a dar-lhe

"Mãe, aquilo é uma cobra cabelo"....e eu comecei a imaginar como seria cómico se existisse uma cobra cabeluda!

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!