Avançar para o conteúdo principal

Quando ter filhos nos mostra o que é a imprevisibilidade da vida

Fim de Semana completamente preenchido; hoje compras, cinema para irmos ver os Incríveis, preparar as ementas para a semana que vem, tratar dos últimos pormenores da festa de anos da criança, bolo e afins, nem consegui um buraco para ir à FIL pois às 7 da tarde queria estar apostada em frente à televisão, para ver em primeira mão o milagre de Portugal ganhar ao Uruguai.

Pimba, acontece isto:

Nunca fui aquela mãe híper ansiosa que à primeira febre vai a correr para o médico ou deixa a filha sem ir à escola durante uma semana mas...tem limites. Ontem passou o dia em casa cheia de dores naquela zona chata do apêndice, fiz os despistes todos que sei, tive-a controlada, pois passar a peritonite por falta de zelo é que não, mas de facto era "só" tinha a dor e falta de apetite.

Nada de febre, nada de vómitos, nada de diarreia.

Hoje volta a acordar com dores, sem fome, fez uns cocós esquisitos, nada de febre - enough, Estefânia com ela.

A Pediatra fez os despistes normais, inclinou-se para o facto de poder ser uma apendicite, mandou-a para a Cirurgia e, just in case, assegurou-se que o Bloco estava livre e disse-me para ela não comer nem beber nada. Até gelei. Lá fui falando com a avó, com o pai para fazer o boletim clínico, o pai, fiel ao que tem demonstrado nos últimos tempos deu todo o suporte possível, falou com ela, facto que muito a alegrou e lá andei eu por aqueles corredores que tão bem conheço desde a minha infância.

Chegadas ao cirurgião, que ainda por cima era um "pão", as perguntas da praxe, a minha filha também deve ter-lhe achado piada porque olhava para ele de boca aberta, mas quando chega a fase da apalpação, a gaiata começa a endurecer a barriga, tudo isto porque estava com medo de levar uma injecção. Teve que vir uma cirurgiã amorosa, mas com cara mais sisuda, foi complicado, mas lá acharam que lhe faltam alguns sintomas para enveredarem por uma solução mais radical - pode ser apenas uma inflamação ou até uma gastroenterite.

Portanto regressou a casa com um soro para ir tomando (com sabor a groselha, atenção), e caso as dores persistam, haja febre baixa, vómitos ou diarreia volta, e aí, lá teremos bisturi.

Ora, não foi o sábado esperado, amanhã íamos passar o dia ao Alqueva, também não arrisco, não vá a miúda ter um treco e eu ter que passar uns dias presa num qualquer hospital alentejano.

Conclusão: só mesmo Portugal ganhar ao Uruguai é que fará com que este dia se torne nalgo para mais tarde recordar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.