Avançar para o conteúdo principal

Espelho, espelho meu, haverá mamã mais querida do que eu!?

Ontem tivemos possessão demoníaca. O trajecto que medeia o colégio da piscina, que dista em minutos, cerca de 20, foi totalmente feito comigo a ouvi-la numa intensa birra.

Primeiro era um canino a abanar, mas depois já era um molar. Filha, isso passa. Depois doeu-lhe a ponta do nariz. Filha, quando pararmos a mamã dá um beijinho. Passámos para um dos 10 dedos do pé - nem me atrevi a perguntar qual deles era, mas voltei a prometer beijo.

Depois porque ia devagar, mas depois já ia depressa, depois porque deixei o carro ultrapassar - foram os 20 minutos mais longos da minha vida a seguir ao trabalho de parto, àquela parte que supostamente é rápida e que a cabeça mais puxão menos puxão sai, e que no caso dela demorou "só" 2 horas.

Eu já estava em desespero.

Já sem birra mas a reclamar, seguimos para as meias, depois para a touca que puxou o cabelo, etc. etc. etc. Ela foi para o tanque e quem ficou possuída por vários demónios fui eu; não descomprimi nem consegui ir ver com calma a exposição do Moniz Pereira, tal não era a minha irritação.

Acaba a aula, vem de lá a cantar e rir, chegamos ao banho, novo transtorno obsessivo-compulsivo - porque a água estava quente, porque não gosta do cheiro do gel de banho, porque também quer pintar as unhas dos pés....eu calada, a contar até 1000 em grego.

Hora de pentear - o Clímax: começa a fazer berreiro, desce sobre mim a personagem mãe megera, semi-cerro os dentes e mesmo assim continuo a falar-lhe a sorrir e digo apenas: "Mais um pseudo ataque histérico e acaba-se a festa de anos que eventualmente terias daqui a 3 semanas, mesmo sem ainda ter começado"

O olhar irado mudou, a face trombuda deu lugar à mais linda Princesa Vaiana da Disney, mas eu estava tão lixada com "F" maiúsculo que aproveitei os minutos de silêncio para apenas....descomprimir.

Chegamos a casa, estaciono o carro, abro-lhe a porta, ela sai de braços abertos e diz: "Mamã, és linda, fazemos as pazes, fazemos!?"

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.