Avançar para o conteúdo principal

Sinto-me um alienígena

Quando toda a gente anda há meses a falar de qualquer coisa relacionado com um "Despacito" e eu não percebia a que raio de coisa se referiam.

Claro que calculei que fosse a "Macarena" do momento ou o "Asereje", mas juro que até hoje não tinha ouvido tal coisa. Opto por ouvir maioritariamente o que gosto e selecciono para mim e que vou colocando no MP3 e rádio, cada vez menos, lá está, porque não me apetece ouvir o que os outros me tentam impingir, logo, esta febre passou-me ao lado.

Também não tive curiosidade em ir pesquisar, mas hoje em conversa com amigos, sendo um deles espanhol, lá me presenteou com a peça.

Não tenho nada a acrescentarl. Para o dia-a-dia completamente fora de questão; mas não digo que num ambiente de férias, com calor, etc., até não possa ser divertido.

Comentários

a.a disse…
Se não fores tu a contar-me destas coisas, ando pela vida sem saber de nada. Tirando um ano em que o meu quarto tinha uma marquise, para o lado da qual os miúdos da Escola Secundária iam drogar-se e ouvir os hits. Foi no ano da Gangnam Style. ...

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri