Avançar para o conteúdo principal

A Saga da minha televisão

Como dizia a minha avó, estou "pior do que estragada".

Lá arrisquei a mandar reparar a televisão; era sabido que eu não podia com ela, o senhor das reparações deu-me o contacto de um indivíduo que faz este tipo de trabalho e lá o contactei. Transporte de ida e volta até ao sítio da televisão, tudo por 30€, ok, não achei escandaloso.

Mas alertei qual o modelo da televisão e que é pesada, que tinha que levar alguém. Sim sim, ok.

Hoje de manhã chega a minha casa, sozinho e eu comecei a ver a minha vida a andar para trás.

Ahhh, eu sabia que era este modelo e de facto são pesadas mas pensava que era a outra, a final a sua é a maior, a Panorâmica!

Seja lá o que for, eu disse que ela pesava imenso e o senhor acha qa consegue levar?? Bom, eu na minha boa vontade lá disse que o ajudava, mas logo me arrependi, dei três/quatro passos e a minha coluna cedeu, comecei a sentir que mais um bocado e ela me caía das mãos. Pedi-lhe para parar, sustive-a nos meus pés que quase ficavam esmagados e disse-lhe mesmo que comigo ele não a conseguia retirar dali.

Mas eu já piursa! Pago um transporte exactamente para não me chatear. Nisto, o meu vizinho jovem do 2º andar sai de casa com a sua mochila para ir para a escola e super amoroso pergunta-me se preciso de ajuda....foi Deus! Embora seja magrito e franzino, não deixa de ser um homem né.

Enfim, foi um instante enquanto levaram a televisão para baixo e asseguro que estava intacta.

Foi entregue na loja da reparação toda riscada, ainda por cima na parte da frente; o homem do transporte diz que foi na escada, eu teimo que não foi, que foi na carrinha já que ela entrou à força....mas enfim, vida de pobre é isto mesmo.

Estou um pouco desgostosa porque a televisão até é bonita por fora, cinza prata, estava super bem estimada e agora parece que foi à guerra, mas enfim...o problema dela, além do cinescópio que para já ainda está para durar (afinal) - tem é menos intensidade de côr, era o arranque, coisa que me ficou nuns módicos 30€.

Vão agora entregá-la a casa e pele menos, mesmo com ar de quem andou na guerra, espero que aguente mais um bom tempo, pois confirmado pelo técnico a verdade é que, mesmo com 12 anos tenho ali uma excelente televisão.

E eu aqui estou, trocidada das costas e com os braços cheios de nódoas negras :(

Comentários

a.a disse…
Deixo-te uma sugestão: Um bom esfreganço de creme já me safou de um par de chatices com coisas riscadas. É pôr uma boa quantidade e ir polindo com afinco, com um pano. Às vezes é melhor pôr aos poucos, outras é melhor fazer de uma vez.
Uma vez um amigo raspou o carro noutro carro estacionado; éramos estudantes, pobreza crónica!, então emprestei-lhe o meu creme para ver se resolvia. Ficou um brinco, não foi preciso deixar o contacto (ufa!) e o meu amigo ainda hoje anda com um creme no carro. hahaha

Tem de ser um creme gordo e espesso. Não pode ser um leite, nem nada rocócó. E o esfregar tem de ser com fé mesmo. Aproveita que o papa vem cá estes dias. hehe

Essa situação do transporte era coisa para me fazer passar uma tarde a escrever queixas no livro de reclamações, no portal da queixa e na testa do homem.

Pois é amiga, paga-se, avisa-se e nada...

Se ela vier em condições e trabalhar mais uns

tempos, vá que não vá, o pior sendo o aspecto.

Hoje em dia mandar reparar algo, já é uma incógnita

sobre o resultado.

Bjs. e votos de que essas dores passem depressa.

Irene Alves
Brown Eyes disse…
O que nós ficamos a aprender! Creme gordo tipo Barral?? Já fico a saber para desaires futuros. De qualquer modo o Sr.que arranjou a televisão foi um querido, deu ali um polimento, uma pincelada com uma tinta parecida e de facto mal se nota....o pior veio depois....

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,