Avançar para o conteúdo principal

Acerca de aceitação

Andava a dizer-me há uns dias que o caderno pautado estava quase a terminar, e que já tinha poucas folhas livres.

Constatei o facto quando há uns dias o levou para casa e lá me comprometi a comprar-lhe um novo - as reposições de material escolar ao longo do ano lectivo são uma constante.

Ontem lá fui comprar o dito e claro, a panóplia é semelhante à do início do ano escolar, com todos os padrões e mais algum e para todas as bolsas.

Mas, por muito que até gostasse de lhe comprar um caderno com os personagens de que ela tanto gosta, fazendo por um lado contas à vida e por outro pensar com assertividade que o ano lectivo termina daqui a 1 mês e meio e eu não sou da família Espírito Santo/Salgado acabei por trazer um dos mais baratos de todos, 0,89€, com uma capa laranja, pois rosa, não havia.

Mostrei-lhe o caderno e lá lhe disse assim:

 - A mamã já te trouxe o caderno, mas peço-te desculpa por não ser dos que tu mais gostas, mas a mamã explica porquê - sabes que os cadernos com os bonecos custam muito dinheiro e a escolinha está quase a acabar. Ainda por cima temos a televisão avariada e a mamâ vai tentar ver se tem arranjo, senão temos que comprar uma nova e a mamã não tem dinheiro para tudo, entendes!?

Resposta dela assim em modo automático:

"Não faz mal mamã, achas que eu me importo? É laranja e tudo e eu também gosto. Não fiques preocupada comigo!"

E é isto, uma pessoa até fica com vontade de compensar em dobro uma criança destas, mas nunca deixando de a fazer sentir que nem sempre podemos ter tudo o que queremos e quando queremos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,