Avançar para o conteúdo principal

E como as chatices vêm sempre com companhia....a saga televisiva não terminou


E o meu descontentamento, idem.

Pois que ainda de manhã, quando o dito cujo indivíduo que contratei para transportar a dita, a começa a colocar dentro da carrinha, eu olho para o "espaço" e penso literalmente como é que ele ia conseguir colocar "o Rossio na rua da Betesga" - mais uma vez eu tinha avisado quantas polegadas tinha a TV, qual a medida em centímetros em comprimento e profundidade. Pois que aquilo entrou à pressão e às tantas ouvi um "Crack". A besta a dizer-me que não tinha sido nada e eu a sentir na alma que me tinha partido qualquer coisa.

Lá encontrei um bocado de plástico perdido no chão da carrinha e disse-lhe: "Está a ver, o senhor não vê que isto é da minha televisão? Já partiu!"

Lá foi dizendo que aquilo devia ser um encaixe da base, que não se via, etc. Pois que após a ter vindo deixar cá em casa, aquilo que na óptica dele não se ia notar, é esta brincadeira, que de facto numa televisão que há 12 anos me custou 1200€ é bastante doloroso e dá vontade de lhe partir a cara. Estou desgostosa, a televisão em termos de reparação está óptima, mas de facto, parece que andou às três pancadas em casa de gente doida, sem cuidado e sem saber o valor do dinheiro. Estou naquele estado em que já nem é preciso acender o rastilho, resumindo, completamente lixada, irritada e revoltada com F dos grandes.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri