Avançar para o conteúdo principal

As crianças, mesmo não sabendo, até sabem...

A minha filha é uma criança muito meiguinha, muito afectuosa, um torrão de açúcar. Tem um coração gigante, mas a verdade é que doseia bem a quem transmite o seu amor.

Não raras vezes enumera de quem sente saudades; ao fim do dia invariavelmente diz-me que sentiu muitas saudades minhas, fico sempre a ganhar na dose de mimos, é um facto.

Mas quando estamos em casa, já mais tranquilas, se não fala ou não vê a avó há uns dias, chama por ela, e diz que tem muitas saudades; telefona-lhe e trocam os seus mimos. Mas também tem saudades da tia, do avô, do Bivô, dos primos (pequenos e grandes), dos padrinhos, das amigas .

Agora, que está de férias, bateu-lhe hoje a saudade da professora e da educadora que mantém no ATL.

E dos colegas do Inglês, das professoras don Inglês, dos bonecos de casa da avó...as saudades são sempre muitas.

Curiosamente até hoje esta criança nunca disse ter saudades do pai, aquele ser pouco humano que tão bem conhecemos. É revelador, amor, realmente, com amor se paga e a falta dele....idem.

E também é revelador que cada vez mais rejeite a ideia de ir passar um rápido fim de semana com ele; faço a minha parte, por muito que seja contra a minha natureza, mas explico-lhe que vai ser divertido e que o pai também gosta dela e de estar com ela (ao que uma mãe se sujeita pelo bem estar psíquico de um filho), mas nem assim a criança sente laços com aquele lado. Ele plantou, ele colhe e colherá daí a sua colheita.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.