Avançar para o conteúdo principal

Acerca da falta de senso (bom) e de classe

Estava eu hoje a comer uma tosta mista acompanhada por um sumo de laranja natural numa pastelaria da nossa capital, quando me deparo numa mesa contígua com uma criatura algo ambígua.

Comecemos pela falta de respeito de, apenas uma só pessoa ocupar uma mesa para 4 - toda a sua tralha espalhada em cima de uma mesa, desde mala de mão, laptop, casaco, ela própria, etc. A falta de respeito atroz pelos outros, pois àquela hora o espaço era pouco e não havia necessidade de estar a fazer do espaço, o seu escritório.

Analisando ao pormenor a criatura, que só pela postura me pareceu logo basfond, assumi o meu papel de cientista social e observadora - portanto, senhora já entradota na idade, com os seus 60 e muitos atrevo-me a dizer, loiraça, cheia de dourados nos braços, calças de ganga com aplicações.

O limite da falta de classe reside nas mãos: portanto, as unhas dos dedos mínimo, indicador e polegar de ambas as mãos pintadas de rosa, as restantes 2 unhas (anelar e médio) pintadas de dourado.

Se nem aos 20 anos aquilo fica bem seja a quem for, com uma idade respeitosa é de facto o descalabro.

Enfim....

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.