Avançar para o conteúdo principal

Por aqui estamos presas em casa na companhia da Miss Varicela

A pequenita está prostrada, irritada, cheia de comichão e agora à noite a febre voltou a subir bastante.  

Aquelas borbulhas têm de facto um aspecto deplorável - depois do banho fica com um aspecto menos doente, mas por pouco tempo. 

Lavar-lhe a cabeça foi um tormento, parece a superfície lunar e perante o desespero lá lhe disse que o único sítio que pode coçar é mesmo a cabeça, mas só se estiver muito desesperada.

Ando a limar-lhe as unhas constantemente, mostrei-lhe a marca com que fiquei na cara quando eu própria tive varicela para a instar a não coçar e se tiver comichão, que grite por mim. Mas não é fácil, são 5 aninhos, coitadinha da minha filhota :(



Comentários

Anónimo disse…
Fiquei com uma marca no nariz, que só aparece quando estou a fazer exercício (e sou extremamente gozada por causa da peculiaridade). É assim uma covinha minúscula, um bocado palerma. Ninguém me leva a sério com coisas destas.

O meu truque para coçar o corpo era ir rodando a camisola. A roupa a passar na comichão era o suficiente para aliviar e não feria nada. Desgraçado do nariz que anda nu. Quando eu ando com a pele seca ou menos cuidada a minha Mãe diz-me "Ó Ana, tanto trabalho que eu tive quando tinhas varicela, para que não ficasses marcada e tivesses uma pele bonita, e agora andas aí assim".

Boas amêndoas, Bebécas Tinkerbell e Brown Eyes!

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri