Avançar para o conteúdo principal

Por aqui estamos presas em casa na companhia da Miss Varicela

A pequenita está prostrada, irritada, cheia de comichão e agora à noite a febre voltou a subir bastante.  

Aquelas borbulhas têm de facto um aspecto deplorável - depois do banho fica com um aspecto menos doente, mas por pouco tempo. 

Lavar-lhe a cabeça foi um tormento, parece a superfície lunar e perante o desespero lá lhe disse que o único sítio que pode coçar é mesmo a cabeça, mas só se estiver muito desesperada.

Ando a limar-lhe as unhas constantemente, mostrei-lhe a marca com que fiquei na cara quando eu própria tive varicela para a instar a não coçar e se tiver comichão, que grite por mim. Mas não é fácil, são 5 aninhos, coitadinha da minha filhota :(



Comentários

Anónimo disse…
Fiquei com uma marca no nariz, que só aparece quando estou a fazer exercício (e sou extremamente gozada por causa da peculiaridade). É assim uma covinha minúscula, um bocado palerma. Ninguém me leva a sério com coisas destas.

O meu truque para coçar o corpo era ir rodando a camisola. A roupa a passar na comichão era o suficiente para aliviar e não feria nada. Desgraçado do nariz que anda nu. Quando eu ando com a pele seca ou menos cuidada a minha Mãe diz-me "Ó Ana, tanto trabalho que eu tive quando tinhas varicela, para que não ficasses marcada e tivesses uma pele bonita, e agora andas aí assim".

Boas amêndoas, Bebécas Tinkerbell e Brown Eyes!

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.