Avançar para o conteúdo principal

Por aqui estamos presas em casa na companhia da Miss Varicela

A pequenita está prostrada, irritada, cheia de comichão e agora à noite a febre voltou a subir bastante.  

Aquelas borbulhas têm de facto um aspecto deplorável - depois do banho fica com um aspecto menos doente, mas por pouco tempo. 

Lavar-lhe a cabeça foi um tormento, parece a superfície lunar e perante o desespero lá lhe disse que o único sítio que pode coçar é mesmo a cabeça, mas só se estiver muito desesperada.

Ando a limar-lhe as unhas constantemente, mostrei-lhe a marca com que fiquei na cara quando eu própria tive varicela para a instar a não coçar e se tiver comichão, que grite por mim. Mas não é fácil, são 5 aninhos, coitadinha da minha filhota :(



Comentários

Anónimo disse…
Fiquei com uma marca no nariz, que só aparece quando estou a fazer exercício (e sou extremamente gozada por causa da peculiaridade). É assim uma covinha minúscula, um bocado palerma. Ninguém me leva a sério com coisas destas.

O meu truque para coçar o corpo era ir rodando a camisola. A roupa a passar na comichão era o suficiente para aliviar e não feria nada. Desgraçado do nariz que anda nu. Quando eu ando com a pele seca ou menos cuidada a minha Mãe diz-me "Ó Ana, tanto trabalho que eu tive quando tinhas varicela, para que não ficasses marcada e tivesses uma pele bonita, e agora andas aí assim".

Boas amêndoas, Bebécas Tinkerbell e Brown Eyes!

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,